Coluna do Editor
Coluna do Editor 19/05/17

Alerta

Uma leitora entrou em contato para reclamar sobre o descaso das autoridades policiais quanto aos furtos de objetos dentro dos carros em Toledo. Ela, por exemplo, foi vítima de uma ação no último dia 30 de abril, quando estava assistindo à missa na Catedral Cristo Rei, no Centro da cidade. Segundo a leitora, todos seus documentos, objetos pessoais e celular que estavam no veículo foram levados em plena luz do dia.

 

Saque

Ela registrou um boletim de ocorrência e bloqueou cartões e celular, porém, não conseguiu evitar dois saques na Agência da Caixa Econômica Federal que fica ao lado da Justiça do Trabalho. Os bandidos sacaram às 9h48 e 9h49.

 

Nada

A senhora disse ter ido até a Polícia Civil para os investigadores olharem as imagens da câmera de segurança, mas até agora nada. Ela conversou com a atendente do banco, que imediatamente enviou as imagens, entretanto na Delegacia até agora não recebeu nenhuma resposta. Quando esta leitora estava registrando o B.O., mais duas pessoas na Vila Industrial, mais ou menos no mesmo horário e ela, com razão, cobra uma resposta da polícia.

 

Mini

O ex-vereador Expedito Ferreira, o Gasolina, afirmou que ninguém da base de apoio ao ex-prefeito Beto Lunitti (PMDB) queria o fechamento do Mini-hospital na Grande Pioneiro. Gasolina disse ainda, em entrevista a Edna Nunes e Paulo Weber Júnior na Rádio Integração (AM 1.380), que teria tido uma conversa com o ex-prefeito à época e dito: “Beto, você ganhou na saúde e vai perder na saúde” e que Beto iria se arrepender da decisão.

 

Aplausos

Chega a ser engraçada esta declaração de Gasolina agora, ainda mais porque muitos dos vereadores da base à época, além de muitos candidatos a vereador na sequência, aplaudiram a decisão do ex-prefeito e ainda por cima vestiram as camisetas alusivas feitas especialmente ao evento realizado na época no Centro Cultural Ondy Hélio Niederauer, na Grande Pioneiro, com direito a forte aparato de segurança e pressão nos bastidores.

 

Críticas

Batista Franco não poupou nas críticas em seu programa na Rádio União (AM 900) por conta da nova crise política no Brasil. O Gordo soltou o verbo!

 

Espelho

Uma sugestão ao presidente da Câmara de Toledo, vereador Renato Reimann (PP): que ele peça um estudo sobre o que fazer no lugar daquele espelho d’água em frente ao prédio do Legislativo. As vezes que aquilo ali funcionou dá para contar nos dedos de uma mão e ainda é capaz de sobrar dedos.

 

Paisagismo

Ao invés de deixar aquela piscina que só enche quando chove, quem sabe não se poderia fazer um projeto paisagístico que valorizasse o espaço.

 

Serviço funerário

Após visitar Maringá, o vereador Vagner Delabio (PSD) disse estar “encantado” com a prestação de serviço funerário na Cidade Canção. Segundo ele, existe uma oferta do setor privado onde já se começou a se construir um cemitério vertical. O investimento é de R$ 50 milhões com capacidade para sepultar 200 mil corpos. Vagner reclamou que infelizmente não tem uma linha de atendimento público.

 

Menos médicos

De Débora Bergamasco na revista IstoÉ: O governo federal não conseguirá criar as prometidas 11 mil novas vagas em cursos de graduação em medicina previstas para esse ano. Até agora, foram abertas apenas 5,8 mil. Também não conseguirá disponibilizar 12 mil postos de residência médica até 2018 – são hoje 8,5 mil.

 

Estudo

Estudo sigiloso da Casa Civil apontou que “o ritmo de criação de vagas de graduação em medicina não permite alcançar a meta”. Aponta ainda que a Comissão Nacional de Residência Médica autorizou a abertura de 2,9 mil novas vagas para residência até 2019, quando a “demanda potencial é de 18 mil”.

 

Não vem

Outro problema para o Ministério da Saúde, comandado por Ricardo Barros, é que o governo de Cuba suspendeu o envio de novos médicos ao Brasil e alerta para “o risco de redução de 6 mil” integrantes do Mais Médicos.

 

Viagem

Esta semana um vereador viajou sozinho para Florianópolis (SC) com o veículo oficial da Câmara de Toledo, para participação em um curso na capital catarinense. Durante a viagem houve uma parada estratégica em Balneário Camboriú. Não dava para viajar de ônibus se o curso era assim tão importante? Fosse de leito.