Toledo

Comunidade questiona falta de divulgação da lista de espera dos cursos

O curso mais procurado é o de violão popular, com fila de espera de 115 pessoas (Foto: Divulgação)

Mais de 800 alunos têm acesso aos cursos gratuitos oferecidos pela Casa da Cultura de Toledo. Porém, mais de 600 pessoas ainda pleiteiam por uma vaga. O problema é que atualmente a lista de espera não é mais divulgada, como antigamente, o que tem gerado reclamações. Até o final do ano a lista era disponibilizada no site da Prefeitura e os candidatos podiam acompanhar os chamamentos. Agora, o setor afirma que há dificuldade em manter a lista atualizada.

Uma candidata a uma vaga de violão, que prefere não se identificar, alega que está na fila desde o ano passado e espera ansiosa por uma oportunidade. Mas, que este ano não consegue acompanhar se esta chance está próxima. “Antes tinha a lista de espera na página da Prefeitura e eu eventualmente entrava para ver quantos ainda tinham na minha frente. Mas, agora não sei mais. Queria que fosse algo mais aberto, mais fácil para nós”, reclama.

A falta de transparência é explicada pela professora e coordenadora de cursos Marta Guter pela dificuldade de atualização da lista. “Temos uma lista imensa de espera para cada curso e decidimos não mais divulgar, pelo menos por enquanto. São vários motivos, mas principalmente porque a lista não estava sendo atualizada. Precisa de uma pessoa somente para fazer isso pelo menos uma vez por semana. Para tanto um professor deixaria de atender duas turmas”, indica.

A coordenadora afirma que manter a lista aberta ao público exige um trabalho constante, que resultaria na diminuição da oferta de cursos. “Porque ou fazemos bem feito, com a lista atualizada toda semana, ou não adianta colocar. Na nossa avaliação não funcionou divulgar a lista da maneira que estava sendo feita. Enquanto não tivermos uma pessoa para fazer isso não podemos divulgar informações desatualizadas”, reforça.

Além da dificuldade de manutenção da lista, a coordenadora explica que a rotatividade não é grande. “Porque foram chamados vários alunos para o início do ano e a próxima grande chamada será no meio do ano. Durante este tempo poucos são chamados, porque somente há as vagas dos desistentes, que são um número muito pequeno”, esclarece.

 

NOVAS TURMAS

Ela aponta que como os cursos estão em andamento, muitas vezes é difícil encaixar novos alunos, mesmo diante de desistências. “Porque após certo tempo de aula, colocar novos alunos com a turma deixa os níveis muito diferentes. O que fazemos na troca de ano, e em alguns casos de semestre, é montar turmas mais avançadas com os alunos que já estão em cursos para abrir turmas inteiras novas”, explica.

Quando isso acontece são chamados vários candidatos que estão na espera, dando maior fluidez na lista. “Mas a fila é grande, a demanda é sempre maior do que nossa possibilidade de oferta. Hoje temos todos os espaços e professores, que são nove, sendo aproveitados ao máximo. Para aumentar a oferta somente se houver mais espaço físico e mais contratações”, salienta.