Coluna do Editor
Coluna do Editor 20/01/18

Milho na rua

A criatividade da população para reclamar é impressionante. Esta foto mostra um pé de milho colocado num buraco na rua Carlos Sbaraini, no Jardim Panorama. Só rindo mesmo! (Foto: Leitor)

 

Alagamentos

Por falar em trânsito, a população nem mais se incomoda com os alagamentos constantes em Toledo. Nos últimos dias até vá lá, por causa do excesso de chuva, mas qualquer pancada mais forte é um ‘alaga geral’. Comecei a olhar mais atentamente para as ruas e percebi que em muitas quadras existem apenas duas para escoar a água pluvial. Faltam muitas, mas muitas bocas de lobo. Até em novos loteamentos o problema existe.

 

Buracos

Um bom exemplo desse problema está na Rua Santo Ângelo, na Vila Industrial, próximo à rotatória do Centro Esportivo. Ali existe a necessidade urgente da abertura de mais bocas de lobo. A chuva de dezenas de quadras acima desemboca toda na rotatória e os buracos são sem fim porque é muita água correndo. Ah, claro, sem mencionar as poças d’água constantes ou o rio no qual a Santo Ângelo se transforma.

 

Rotatória

Excelente a iniciativa de implantar a rotatória na rua Pedro dos Santos Ramos com Augusto Formighieri, na região do lago municipal. O trânsito melhorou bastante para quem circula por ali. Agora que se percebeu a eficiência da medida, não seria possível construir uma rotatória esteticamente mais condizente com o local?

 

Benefícios

Do Congresso em Foco. Salários, verbas extras para moradia, funcionários, aluguel de escritório, telefone, veículos, combustível, divulgação do mandato, passagens aéreas, entre outras coisas. Plano de saúde em condições vantajosas e até vitalício. Ajuda de custo equivalente a dois salários adicionais no início e no fim do mandato. Esses são alguns dos benefícios que fazem do Congresso Nacional um dos parlamentos mais caros do planeta.

 

Ranking

O Brasil ocupa a sexta colocação em salário de deputados em razão do Produto Interno Bruto (PIB) per capita. À frente, gastam mais com seus representantes algumas das nações mais pobres do planeta, como Nigéria, Gana e Quênia, que lideram o ranking da disparidade entre as despesas com parlamentares e a média da riqueza de sua população.

 

Assessores

O país também se destaca internacionalmente o número de assessores pessoais por congressista. Nos Estados Unidos, cada deputado pode contar com até 18 auxiliares. No Chile, com 12, e na França, com 8. Já no Brasil esse número chega a 25 assessores. O Senado brasileiro permite a contratação de 55 funcionários, mas há senadores que chegam a muito mais. É o caso de Fernando Collor de Mello (PTC-AL), com 80, e de João Alberto Souza (MDB-MA), com 84 servidores às suas ordens.

 

Salários

Levantamento do jornal El País, focado na América Latina, também aponta a disparidade entre os ganhos dos parlamentares e o salário médio dos cidadãos que eles representam. O Brasil tem a maior remuneração para deputados e senadores da região, seguido de Chile, Colômbia e México. Um congressista brasileiro recebe somente de salário o equivalente a 35 salários mínimos de R$ 954,00.

 

Vigilância

Mas por que o Brasil chegou a esse ponto? “O principal fator é a falta de vigilância da sociedade. Gastos são alterados por decretos ou atos na surdina sem que a sociedade tenha ciência disso. Basta lembrar do caso dos super salários na Câmara de Toledo, autorizados na base do ‘canetaço’. A atitude, é bom frisar, pode até ser legal, mas moralmente é questionável.

 

Judiciário

Para não ficar apenas no campo político, nunca é demais lembrar que no Judiciário alguns benefícios também são questionáveis, como auxílio moradia em determinados casos.