Editorial
Que país é esse?

Quando Renato Russo lançou a música com esse nome, no auge do Legião Urbana, talvez não imaginasse que décadas depois a letra e seu significado seriam tão atuais. Que país é esse onde um ministro da mais alta corte de ‘Justiça’ decide, por conta própria, soltar de uma hora para outra, milhares de condenados na esfera federal, beneficiando não apenas o antigo rei e seus amigos, mas entre eles criminosos perigosos. Se bem que perigo por perigo, vai saber qual é pior...

Que país é esse onde o atual presidente da mesma corte suprema resolve ele decidir sobre o aumento em outro poder, numa clara afronta entre os poderes constituídos e um desvirtuamento completo do que estabelece a Constituição Federal quando rege as atuações de cada poder.

Para fechar a semana de trapalhadas tipicamente brasileiras, que país é esse onde o presidente da Câmara passa algumas horas na cadeira da Presidência da República e anistia prefeitos irresponsáveis que estouraram os limites prudenciais da folha de pagamento.

Que país é esse? O tropical Brasil!

Sim, somente no Brasil para acontecer isso e muito mais em menos de 24 horas. De todas as decisões irresponsáveis, para não classificá-las de patéticas, menos mal que o futuro presidente do STF Dias Toffoli decidiu revogar a decisão de seu colega. Oxalá alguém agisse assim nas decisões dos demais trapalhões da República de Bananas, cujos nomes não serão escritos em protesto pela leviandade com a qual conduzem seus cargos, num desrespeito total para com a sociedade. Um escárnio!

O Brasil realmente não pode ser considerado um país sério quando se pune o cidadão de bem e quem age dentro dos limites previstos em lei. O que pensarão os prefeitos que cortaram gastos, promoveram ajustes para se manterem dentro das prerrogativas da Lei de Responsabilidade Fiscal vendo colegas seus rindo ao não fazer nada e ainda serem anistiados com a benevolência de um déspota que carrega no peito o símbolo do Congresso Nacional.

O Brasil é uma República de Bananas, formada por outros milhões de bananas. Daí não faltar alimento para a macacada faminta.

Um ano difícil

Não resta dúvida: 2018 foi um ano difícil, em especial para o comércio. A greve dos caminhoneiros impactou nas vendas e os resultados estão sendo percebidos somente agora, quando os gastos com pessoal aumentam e há necessidade de investir mais para poder aproveitar a melhor época do ano para a maioria dos lojistas. A expectativa dos comerciantes em Toledo é, com o Natal, obter um faturamento similar ao de 2017, a salvação para outro ano complicado em relação ao consumo médio do cidadão, algo que tem se acentuado desde 2014, quando esta crise sem precedentes começou no Brasil.

Embora ainda tímido, o movimento um pouco maior esta semana – quando o comércio local começou a atender num horário diferenciado, mantendo as lojas abertas até mais tarde – deixou animados os empresários do setor, ainda mais do Centro, onde a decoração natalina exuberante por si só já é um atrativo e tem levado muita gente ao ‘coração’ de Toledo para observar as luzes e, também, as vitrines recheadas de – boas – ofertas.

Até sexta-feira (21) o comércio terá um horário de atendimento maior. As lojas ficam abertas das 9h às 22h. No dia 22, das 9h às 18h, e no dia 23, o domingo de véspera de natal o atendimento será das 10h às 17h. E é justamente nesta reta final que apostam os empresários para uma recuperação, haja vista a expectativa do pagamento do 13º salário nesta quinta-feira (20) e, claro, a antecipação do salário por parte da Prefeitura de Toledo para sexta-feira (21).

Não que o ano termine da maneira como se desejava, afinal, o movimento grevista dos caminhoneiros na primeira metade de 2018 teve consequências imediatas à época, entretanto, é agora, passados alguns meses, que os reflexos mais negativos puderam ser sentidos. Há ainda ao reflexo natural que uma eleição geral no Brasil traz, quando governos são trocados e sempre se tem mais cautela para se conhecer melhor as reais intenções de quem assumirá o poder público.

Diante de um ano parado por causa de tantos problemas e de outro prestes a iniciar da mesma maneira, resta ao comércio de Toledo esperar por dias melhores, ao menos nesta reta final.

Perigo sobre duas rodas

As vítimas de acidentes com motocicletas são maioria no município de Toledo de acordo com os números do relatório da Comissão Municipal Intersetorial de Prevenção de Acidentes e Segurança no Trânsito. O relatório mostra a realidade dos acidentes de trânsito com vítima no município e, no levantamento de janeiro até o mês de outubro foram 759 vítimas de acidentes com motocicletas. O número, embora assustador, não chega a ser uma surpresa, afinal, uma rápida volta em qualquer canto do município permite compreender os motivos para esse alto índice de acidentes com motos. O perigo anda sobre duas rodas, embora nem sempre a culpa seja do motociclista.

É fácil observar ‘motoqueiros’ sem capacete, trafegando na contramão, sobre os canteiros das calçadas, nas ciclovias, acima da velocidade máxima permitida nas vias, furando os semáforos, transitando em meio aos carros, ultrapassando pela direita, conversões sem a devida sinalização, manobras perigosas (como empinar a moto em frente a escolas em plena luz do dia), avanço de preferencial, entre outros pequenos ‘delitos’ cometidos por quem utiliza este meio de transporte.

Mas não se pode depositar a culpa apenas em quem trafega sobre duas rodas, até porque alguns dos problemas acima também são facilmente encontrados entre os motoristas de carros, caminhões e ônibus, tornando a vida de quem usa a moto uma verdadeira aventura. Com uma diferença: o para-brisa da moto é o rosto de quem a pilota!

Os números obtidos pela Secretaria de Segurança e Trânsito são importantes para que medidas mais eficientes possam ser adotadas a fim de reduzir ao máximo a quantidade de acidentes, até porque zerá-los é impossível diante da quantidade de veículos circulando por Toledo.

Poder-se-ia também utilizar estes números para se pensar em opções mais seguras, como investimentos em novas ciclovias e a melhoria – e ampliação – do serviço de transporte público, haja vista que muitos estão optando pelo uso das motocicletas em função do alto custo do combustível e qualquer economia em épocas de crise é bem-vinda, mesmo que o perigo esteja sobre duas rodas.

Sorte ao novo presidente

Antonio de Freitas (PSL), o popular ‘Zoio’, foi eleito o presidente da Câmara de Toledo para o biênio 2019/2020, quebrando uma tradição de alinhamento entre o presidente do Legislativo e o comando do Executivo, no caso o prefeito. Mais que isso, a surpreendente eleição do popularesco vereador para comandar a Casa de Leis é recheada de significados intrínsecos que precisam ser analisados com cautela por quem é de direito. A começar pelo estilo folclórico do presidente eleito, uma marca muito pessoal e que o levou a ocupar uma cadeira na Câmara, mas que a partir de agora será necessária ficar em segundo plano porque ele será a imagem do Legislativo, embora para muitos essa imagem tenha acabado de vez nesta legislatura diante do resultado da eleição.

Evidente que ‘Zoio’ não poderá conduzir as sessões da Câmara como conduz seu mandato, até porque ele precisa prestar contas à sociedade e não apenas a quem depositou seu voto de confiança no trabalho como vereador. Neste sentido os demais integrantes da Mesa também serão fundamentais na condução das ações dentro do Legislativo, sob pena de um descrédito ainda maior do trabalho dos vereadores, haja vista um movimento cada dia mais intenso no sentido de se retomar a discussão em torno da quantidade de vagas – hoje em 19.

O novo presidente tem um gigantesco desafio pela frente, pois estará no comando da Câmara num ano de disputa eleitoral, justamente a época mais crítica diante das animosidades típicas da eleição municipal. Será preciso não apenas sabedoria, mas equilíbrio e as primeiras palavras do vereador Antonio de Freitas tão logo soube do resultado não demonstraram isso. Desabafou com a impulsividade que lhe é peculiar. “Nesta casa deputado não manda. Quem manda é o povo”, disparou sem meias palavras, embora não tenha citado nenhum nome de quem seria este deputado.

Uma relação conflitante entre os dois poderes no âmbito municipal pode ser desastrosa e para isso basta observar o passado recente, quando não havia um diálogo mais amistoso entre prefeito e presidente da Câmara. Agora é esperar para ver como será a condução do Legislativo por uma figura até hoje apenas caricata e que agora ostenta o cargo de segunda maior importância dentro da esfera pública. Sorte ao novo presidente. Muita sorte!

Mudanças à vista

Em visita ao JORNAL DO OESTE, onde participou nesta sexta-feira (14) do “Programa É Nosso” – desenvolvido para as redes sociais do jornal – o prefeito Lucio de Marchi confirmou algumas mudanças em sua equipe administrativa na Prefeitura de Toledo já em janeiro de 2019. O objetivo, segundo ele, é tornar a gestão mais ágil e eficiente, ou seja, entrar o novo ano com o pé no acelerador para oferecer uma maior visibilidade às ações desenvolvidas em sua gestão. Além disso, o prefeito de Toledo deixou transparecer que eventuais compromissos políticos já teriam sido mais que cumpridos ao longo dos últimos dois anos, sendo que o objetivo é corrigir eventuais falhas ou então fazer áreas que ainda patinam decolar de vez.

Para isso ele aposta em sangue novo em postos estratégicos, além, é claro, de manter aquilo que em sua visão tem funcionado. Algumas mexidas já aconteceram na reta final deste ano mesmo, muito em função de saídas não previstas, como aconteceu na pasta do Desenvolvimento Econômico, onde o atual chefe de Gabinete Jozimar Polasso acumula dupla função até sua nomeação oficial para a secretaria, algo que deverá acontecer nos próximos dias. E é justamente nos dois postos mais próximos a ele onde o prefeito precisa acertar em cheio. Desde a saída de Alceu Dal Bosco parece existir uma lacuna na articulação do atual governo municipal.

Mas há outros setores estratégicos onde Lucio precisa não apenas mexer, mas acertar as indicações para que a mudança não seja ainda mais desgastante. Pastas vitais dentro de qualquer administração pública no Brasil caminham a duras penas na Prefeitura de Toledo, com efeitos muito ruins ao atual prefeito, em especial à imagem de que pouca coisa tem sido feita pela atual gestão, quando na verdade há muitas ações acontecendo.

De qualquer maneira, há mudanças à vista e age de maneira correta o prefeito se ainda sonha em salvar o patrimônio político construído ao longo de sua extensa trajetória enquanto vereador e vice-prefeito em suas gestões. Se assim não o fizesse, certamente Lucio de Marchi poderia pensar apenas numa saída mais honrosa, entretanto, se acertar nas peças, conseguirá um oxigênio extra importante visando a próxima disputa municipal que tende a ser muito aguerrida.

Feliz Aniversário!

Hoje é uma data especial. Um dia para celebrar mais um ano de história de Toledo, a cidade labor como canta em verso e prosa seu hino. A cidade dos jardins de soja e dos mais belos trigais. O lugar onde tudo que se planta dá e que ao longo deste tempo foi se moldando para se tornar uma referência na região oeste e se manter firme entre as grandes potências econômicas e sociais do Paraná. Quando o assunto é o agronegócio aí o jogo muda de patamar e Toledo mostra um vigor difícil de ser acompanhado por outras cidades. Toledo 66 anos! Quem diria que em tão pouco tempo a cidade se transformaria nesta potência, neste exemplo tão copiado.

Talvez nem os próprios pioneiros, alguns deles ainda por aí, contribuindo com seu desenvolvimento, apostassem suas fichas em transformar a cidade de maneira tão profunda. Talvez nem mesmo quem torcia para seu sucesso, mesmo que chegado há pouco tempo, pudesse sonhar com uma estrutura tão completa e invejável que, embora ainda tenha muito a ser feito, ainda assim está muito acima da média nacional, com destaque para seu interior, onde as centenas de quilômetros de asfalto rural não apenas demonstram quão distinta é esta estrutura, como transformou a vida de centenas, milhares de pessoas que preferem morar no interior diante da facilidade de acesso e por terem no portão de casa os mesmos atrativos que teriam morando na zona urbana.

Mas Toledo não é apenas agro.

É a cidade que respira, pulsa com seus parques, seus centros específicos para pessoas idosas e jovens, com suas ruas largas e avenidas que cortam a cidade de ponta a ponta. Uma cidade que planeja o futuro sem esquecer do presente. Uma cidade onde o respeito às pessoas caminha lado a lado com a necessidade de preservar o meio ambiente.

Toledo, ah Toledo, 66 anos de muitas histórias contadas diariamente, algumas delas retratadas nestas páginas em preto & branco, a forma encontrada pelo JORNAL DO OESTE para ajudar a manter preservada a memória daqueles que efetivamente contribuem para construir não apenas uma cidade, mas um espaço diferenciado em meio à terra vermelha deste pedação de chão chamado oeste do Paraná.

Parabéns Toledo pelos 66 anos de história. Um Feliz Aniversário querida cidade!

Cerco aos ambulantes

Com a proximidade das duas datas que atraem um número muito acima do comum ao Parque Ecológico Diva Paim Barth, a Prefeitura de Toledo resolveu apertar o cerco contra a presença de vendedores ambulantes no entorno do lago municipal. Não que estas pessoas não possam comercializar seus produtos. Poderão, desde que agindo dentro dos preceitos legais estabelecidos. Para venderem seus produtos em área de domínio público em Toledo, os vendedores ambulantes precisam ter alvará, ponto fixo e estarem devidamente legalizados. Aqueles que foram surpreendidos em situação irregular poderão ser autuados e terem as mercadorias recolhidas.

E já passou da hora da prefeitura começar a agir com maior rigor, haja vista as cenas frequentes de ‘bancas’ estabelecidas no Centro da cidade com produtos diversos e de origem duvidosa, isso sem mencionar os caminhões que ficam estacionados um dia inteiro – em especial na avenida Parigot de Souza – oferecendo uma gama de produtos variada, desde sofá, passando por redes, frutas e até mudas de árvores. Uma concorrência desleal contra quem tem seu comércio devidamente instalado e paga seus impostos e taxas de maneira regular.

Não que os ambulantes não possam trabalhar. Podem, desde que respeitem as leis e paguem suas taxas. O que não se pode mais tolerar é essa venda descabida, sem fiscalização alguma. E uma venda que incomoda, ainda mais na região do lago. Basta se atentar um pouco mais para perceber quantos são os vendedores que aparecem. E pior: próximo ao parque infantil, uma covardia contra pais que muitas vezes apenas querem passear com seus filhos e são bombardeados pela oferta excessiva de doces, sorvetes, balões, brinquedos e outros atrativos.

Hoje, com a possibilidade dos microempreendedores individuais, os chamados MEIs, tornou-se mais fácil estar em dia com as questões legais que, caso não sejam cumpridas, tornam a vida de quem opta pelo caminho correto ainda mais difícil num país em que o ‘jeitinho’ ainda é moda.

Espírito natalino

Se há alguns anos – e em 2017 em especial – houve muitas críticas sobre o desleixo ou a falta de decoração natalina em Toledo, para este não se pode reclamar do serviço feito. Os pontos onde foi feita a decoração – Teatro Municipal, Parque Ecológico Diva Paim Barth, Prefeitura e Praça Willy Barth – ficaram realmente lindos. Não há adjetivo melhor para qualificar o trabalho realizado. Beleza que tem atraído muitas pessoas a estes pontos. Pessoas inclusive de outros municípios, vindo a Toledo, tirando fotos, postando em redes sociais e somente com comentários positivos.

Só por isso já teria valido a pena o investimento, até porque esse é um dinheiro que precisa ser aplicado no campo do turismo, neste caso um turismo de eventos. E é justamente este o aspecto mais importante de se investir na decoração: atrair visitantes para a cidade. Gente que vem para ver a beleza do Natal e aproveita para comer algo, tomar um chopp ou suco com os amigos, comprar os presentes para o fim de ano, conhecer novos lugares, prospectar possíveis investimentos, enfim, consumir ou ser um potencial consumidor.

O mesmo pode se dizer em relação ao show de aniversário que este ano terá como atração Michel Teló, além do já tradicional corte de bolo e uma pequena queima de fogos, um ‘esquenta’ para o grande show da virada que celebra a chegada de 2019, este sim com uma grande queima de fogos que virou tradição na região por ser a maior festa de réveillon do oeste e que leva ao Parque Ecológico milhares de pessoas, assim como em seu entorno.

O espírito natalino não se resume apenas ao estado de espírito interno de cada cidadão, pois quando se é um gestor público é necessário avaliar também estes outros aspectos que circundam esta época do ano e investir naquilo que oferece um retorno ao cidadão, seja através da festa em si, seja pelas oportunidades de negócios que ela oferece. Neste sentido Toledo dá exemplo de como é possível criar um evento e torná-lo uma referência, desde que haja boa vontade política em se manter a tradição.

Inserção gradativa

Quando finalmente o curso de medicina da Universidade Federal do Paraná foi aprovado e os primeiros estudantes iniciaram as aulas, ainda numa estrutura provisória, que funcionava onde hoje é a Escola de Governo, já havia uma esperança de que estes futuros profissionais pudessem modificar o quadro deficitário no setor de saúde, não apenas em Toledo, mas na região como um todo. Nesta segunda-feira (10), numa cerimônia sem tanta pompa e circunstância, houve a assinatura de convênio entre a UFPR e o Hospital Rondon.

O reitor da universidade, professor doutor Ricardo Marcelo Fonseca, ao assinar o acordo de cooperação técnica, demonstra a disposição em fazer uma ampla e completa inserção junto à comunidade oestina.

O presente acordo tem por objeto o estabelecimento de condições para o desenvolvimento de atividades teóricas e práticas por parte dos acadêmicos do curso medicina de Toledo da UFPR no Hospital Rondon, visando o aprimoramento técnico-científico e aproximação das condições reais de trabalho para a formação do estudante.

Essa ação, aliada à construção do novo prédio do campus – junto ao Biopark – é uma prova concreta do quanto a parceria entre a iniciativa privada e o serviço público pode contribuir para o desenvolvimento da sociedade numa amplitude cada vez maior. Hoje, por exemplo, alguns estudantes participam de ações junto à Central de Especialidades da Prefeitura de Toledo, e há uma grande possibilidade desta cooperação se estender aos demais hospitais de Toledo e que bom se isso se estender a todas as unidades nas demais cidades integrantes da área de abrangência da 20ª Regional de Saúde, pois isso traria um ganho na qualidade e, claro, na quantidade em relação ao atendimento via o Sistema Único de Saúde.

A inserção gradativa da medicina na sociedade é importante não apenas pelas questões técnicas, mas também porque demonstra não ser uma aventura da universidade ou apenas para atender interesses ideológicos ou partidários. Este acordo assinado neste início de semana representa mais um passo nesta inserção gradativa que muito colabora para um desenvolvimento mais humano e equilibrado.

Esta campanha é legal!!!

Nos últimos dias tem se intensificado o trabalho de divulgação da Campanha Legal em Toledo. O slogan deste ano não poderia ser melhor: “Vire amigo do Leão”, uma citação ao símbolo do Imposto de Renda que pode ser doado às instituições beneficentes da cidade que realizam um trabalho fantástico no trabalho social. No material de divulgação, aliás, constam os valores recebidos no início do ano e onde foram aplicados.

Centro Comunitário e Social Dorcas, Ação Social São Vicente de Paulo, Apae, Casa de Maria, Creche Ledi Maas e Aldeia Betesda conseguiram realizar muitas ações – como compra de veículos, equipamentos, ampliações ou reformas – durante o ano graças aos recursos obtidos com a campanha, os quais poderiam ser maiores se houvesse um maior engajamento da sociedade toledana, haja vista uma grande parte da população ainda não conhecer profundamente como funciona a campanha ou então ter receio em antecipar parte do imposto devido com medo de ser flagrado num eventual ‘pente fino’ por parte da Receita Federal. Um receio descabido, pois o valor a ser antecipado é calculado justamente sobre a declaração do Imposto de Renda, portanto, nada de ilegal.

Participar da Campanha Legal é destinar parte do seu Imposto de Renda para crianças e adolescentes de Toledo atendidas por estas entidades no contraturno, um trabalho exemplar e que coloca a cidade na vanguarda quando o assunto é o trabalho assistencial. Além disso, qualquer desconfiança se dissipa quando se conhecer melhor a estrutura de funcionamento da campanha, afinal, o controle sobre o dinheiro é rigoroso e qualquer desvio punido de maneira exemplar, um dos motivos para a campanha dar tão certo, mesmo com o potencial de arrecadação ficando abaixo do sonhado e possível.

Em caso de dúvida basta procurar um escritório de contabilidade participante. Aliás, é preciso ressaltar que, embora todas as entidades parceiras na campanha tenham sua importância, cabe aos contadores o trabalho mais complicado de convencimento em se fazer a doação, pois é esta classe profissional que possui as informações mais detalhadas sobre quem – e quanto – pode doar. Esta campanha é legal! Faça sua parte! Participe!