Editorial
A liberdade de imprensa

Há alguns dias, em seu pronunciamento na Câmara de Toledo, o vereador Marcos Zanetti (PDT) destacou a importância do trabalho da imprensa no sentido de esclarecer – e divulgar – muitos dos ‘podres’ existentes no Brasil. Ele se referia mais especificamente à Operação Lava-Jato, um marco na história nacional no combate à corrupção e que só sobreviveu até agora pelo envolvimento de seus líderes, o apoio da esmagadora maioria da população e a divulgação de suas ações de maneira exaustiva através da imprensa. Não fosse isso certamente não haveria tantos empresários e políticos atrás das grades, pagando uma parte do mal feito à nação brasileira.

E o estrago poderia ser maior não fosse a parcimônia de uma parte considerável dos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF), que esta semana conseguiu mais um feito: atacar de maneira vil a liberdade de expressão. O ministro Alexandre de Moraes determinou na segunda-feira (15) à revista Crusoé e ao site O Antagonista a retirada do ar de reportagem que cita o próprio presidente do Supremo, Dias Toffoli. Na terça (16), em nova decisão, Moraes mandou bloquear o acesso a redes sociais de sete investigados de espalhar mensagens com ataques aos ministros.

A decisão do Supremo é uma ofensa à própria Constituição Federal e não apenas à imprensa e deveria, a maior corte brasileira, refletir sobre o papel ao qual deveria se prestar: o da defesa plena dos direitos previstos na carta magna.

A reportagem em questão tem como base um documento que consta dos autos da Operação Lava Jato. O empresário Marcelo Odebrecht encaminhou à Polícia Federal informações sobre codinomes citados nos e-mails apreendidos em seu computador, em que afirma que o apelido "amigo do amigo do meu pai" se refere a Toffoli.

A Constituição garante que é "livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença". Justamente em razão dessa garantia de a imprensa poder falar o que quiser, desde que se trate de uma questão de transparência e interesse público, como é o caso de uma denúncia tão grave.

Sim, há problemas na imprensa brasileira. Mas é melhor uma imprensa livre com problemas do que uma atada por todos os lados! Viva a liberdade de expressão e de imprensa!