Editorial
A saúde em alta

Se há alguns anos, nesta mesma época do ano, havia imensa preocupação em relação ao futuro no atendimento da saúde pública, nesta reta final de 2018 o sentimento é de alívio e esperança. Esta semana, como noticiou o JORNAL DO OESTE com o merecido destaque, foram liberados mais R$ 4,5 milhões para investimentos no Hospital Bom Jesus e na Prefeitura de Toledo para a atenção básica. O dinheiro é resultado da boa representatividade política que a cidade teve até este ano, mas que não voltará a ter tão cedo diante do resultado pífio das urnas este ano, onde nenhum candidato a deputado estadual foi eleito e a vaga na Câmara Federal mantida a duras penas.

E a saúde termina o ano em alta também com a solução encontrada para a crise financeira pela qual passa o HCO. A decisão da Unimed Costa Oeste em arrendar a unidade por dois anos, no mínimo, pode não ter sido a melhor, mas sem dúvida foi a possível neste grave momento que poderia trazer um colapso ao atendimento na cidade, haja vista a quantidade de procedimentos absorvidos pelo hospital, isso apenas entre clientes da própria cooperativa.

Mas o ano foi excelente também com a inauguração da nova Central de Especialidades Médicas da Prefeitura de Toledo, ao lado do Mini-hospital. Um passo a mais rumo à consolidação do espaço como um grande centro de referência em saúde pública, pois além do Mini e da Central, ali também já funciona uma nova Farmácia Básica e está sendo construída uma Central de Fisioterapia, um motivo a mais para esperança de dias ainda melhores para quem depende exclusivamente do atendimento gratuito do Sistema Único de Saúde.

E aí a chegada de 2019 cria uma expectativa ainda maior para a abertura do tão sonhado Hospital Regional, cujos problemas foram identificados e estão sendo resolvidos um a um. Como a Prefeitura de Toledo assinou um termo com prazo para a abertura, será muito difícil esta unidade não entrar em funcionamento no ano que se aproxima e se assim for, certamente nesta mesma época, daqui um ano, será necessário repetir o assunto porque a tendência é a saúde estar ainda mais em alta. Ao menos é o que se espera.