Editorial
As asas de um sonho

Não foi a primeira vez de um voo comercial no Aeroporto Municipal Luiz Dalcanale Filho; tampouco foi o primeiro pouso realizado no local; muito menos se observou tanta gente naquele espaço, entretanto, a quarta-feira, 9 de janeiro de 2019, será uma data a ser lembrada para sempre na história de Toledo e região em função do primeiro voo comercial da Azul Linhas Aéreas usar as instalações e embalar uma região inteira nas asas de um sonho que parecia ser impossível de se concretizar, mas que ontem começou a dar passos sólidos neste sentido. O otimismo visto em quem participou da empreitada é o combustível para alimentar ainda mais este sonho.

Talvez nunca na história do município se apostou tanto na ligação aérea quanto agora. Talvez este seja o momento certo para tudo isso ter acontecido. Somente o tempo será capaz de confirmar ou não se realmente era assim que deveria ter acontecido ou se será apenas mais uma loucura coletiva temporária, a exemplo de tantas outras que já pousaram e decolaram no bom aeroporto toledano. Evidente que é preciso deixar claro que a empresa vive de bons ventos e a ocupação regular dos voos, numa escala que os viabilize, será crucial para manter ou até ampliar a operação através do Luiz Dalcanale Filho. Para isso é importante o envolvimento da comunidade regional, pois esta não é uma conquista que trará dividendos apenas a Toledo, mas a muitas outras cidades da microrregião que poderão se servir desta ligação rápida e fácil com a capital e dali para qualquer parte do imenso planeta.

As asas deste sonho finalmente pousaram em Toledo e agora, semana após semana, será preciso acompanhá-las de perto para ver se estarão consolidadas o suficiente para permitir novos voos, mais altos e mais ousados. Potencial para isso acontecer não falta, basta apenas que a sociedade compreenda a importância do gigantesco passo dado numa quarta-feira que tinha tudo para ser como qualquer outra num início de ano, mas que entra para a história como uma quarta-feira Azul.