Editorial
Feliz Ano Novo!

Passada a folia de Momo, mas ainda com a ressaca de tanto riso, de tanta alegria, os mais de mil palhaços do salão se preparam agora para iniciar um novo ano. Reza a lenda que o Brasil só começa a funcionar de verdade apenas após o Carnaval. Tanto é verdade que, embora a última terça-feira não seja feriado, difícil encontrar algum lugar do país que funcionou normalmente. Em Toledo era possível dançar um frevo, sambar ou desfilar a melhor fantasia em qualquer rua, haja vista o vazio provocado pelo feriado prolongado. Então, se o ano começa agora, um Feliz Ano Novo.

Mas o que esperar deste 2017? A partir de agora é grande a expectativa sobre os próximos movimentos, especialmente no campo político, onde há muita tensão e onde a tensão aumenta diante dos desafios propostos, como a polêmica – mas necessária – reforma previdenciária ou a sempre esperada – porém jamais realizada – reforma política. Some-se a isso a urgência de uma reforma trabalhista ou a tributária e se tem um panorama nada favorável.

Além disso, os tentáculos da Operação Lava Jato seguem impiedosos e começam o ano sob à sombra de uma manobra para tentar desestabilizá-la, sem mencionar as nomeações turbulentas na esfera judicial. Essa indefinição sobre como, quando e até onde poderá chegar a Lava Jato segue tirando o sono não apenas de políticos, mas de muita gente, seja porque tem algum tipo de envolvimento direto com as investigações ou pelo simples fato de querer saber quais os resultados práticos para o futuro.

Na esfera local o ano mal começou e a gestão Lucio de Marchi/Tita Furlan precisa lidar com a impaciência da direção do Sindicato dos Servidores Públicos Municipais, que promete uma paralisação para o próximo dia 15. O motivo seria o não atendimento de alguns itens das extensas reivindicações que atormentam qualquer gestor público no Brasil e que foram determinantes para o insucesso da gestão passada.

O ano até pode estar começando agora, porém, alguns problemas seguem sendo rigorosamente os mesmos de todos os demais já passados. Quando se trata de Brasil algumas coisas não mudam nunca, embora este em 2017 nem o fantástico show do desfile das escolas de samba carioca tenha sido o mesmo.