Editorial
Gestão realmente faz a diferença

Pode ainda não ser o cenário perfeito, haja vista ser sempre uma área onde sucesso e fracasso caminham de mãos dadas, ainda assim os números mais recentes da saúde pública em Toledo precisam ser exaltados, afinal, em pouco tempo a fila de espera foi reduzida em pelo menos 12 mil pessoas nas mais diferentes especialidades e isso sem aumento de equipe. Uma gestão diferenciada foi capaz de transformar quase que por inteiro uma secretaria onde as coisas aconteciam pelo comprometimento dos servidores, entretanto, parecia estar acéfala diante de tantos problemas.

Hoje, embora ainda existam alguns pontos negativos a serem solucionados, no geral o panorama é muito mais positivo e o clima em determinados setores bem mais sereno. Lugares onde antes era quase impossível permanecer hoje funcionam no automático, com os servidores não escondendo a felicidade pelos novos tempos. E aí é quase impossível não retroceder no tempo e lembrar da disputa eleitoral de 2012, quando a gestão na Saúde em Toledo era apontada como sendo a grande vilã.

E foi! Tanto que o fracasso quase completo na gestão do sistema provocou uma derrocada sem precedentes na história política de Toledo.

Mas, a saúde que derrubou e elegeu é a mesma que poderá eleger e derrubar no futuro, por isso é imprescindível que a atual administração não apenas comemore os bons resultados até o momento, mas faça as devidas correções onde são necessárias para ter ainda mais o que celebrar.

Além disso, é imprescindível também a ampliação da estrutura pública e, neste sentido, o Hospital Regional entrar em funcionamento é uma necessidade urgente, embora também precise ser o processo gerenciado de maneira muito responsável para não se abrir uma unidade hospitalar para, daqui a pouco, ela estar sendo um problema a mais e não uma solução.

Uma gestão realmente faz a diferença. Para o bem e para o mal. E a diferença até agora está sendo o respeito no trato com os profissionais do setor e com os próprios usuários, isso sem mencionar a reabertura do Mini-hospital que, para alguns seja apenas uma ferramenta política, ainda assim foi um alento para milhares de pessoas que tanto dependiam desta unidade no sempre conturbado cotidiano.