Editorial
Impostos, impostos...

O brasileiro trabalha 153 dias por ano para pagar impostos. Essa é a constatação feita pelo Instituto Brasileiro de Planejamento e Tributação (IBPT) que apurou, por exemplo, que este ano foram arrecadados mais de R$ 879 bilhões, segundo dados do Impostômetro. O destino deste dinheiro é direto aos cofres públicos. Este valor seria suficiente para tantas coisas, porém, infelizmente não é isso que acontece.

Para mostrar um pouco deste desequilíbrio, no próximo sábado (19) os integrantes do Conselho do Jovem Empreendedor da Associação Comercial e Empresarial de Toledo (Acit) farão mais uma edição do Feirão de Impostos. Para se ter uma ideia do quanto essa injustiça consome por ano, o litro da gasolina será vendido a menos de R$ 3,00, enquanto hoje nos postos da cidade o preço médio é R$ 4,59. De tudo o que se é consumido no país, 33%, em média, é imposto, algo que muita gente sabe, entretanto, poucos têm a coragem de enfrentar esse sistema nefasto de peito aberto, com a coragem necessária para mudar a realidade.

Tão ou mais necessária que a reforma política é a tributária. Embora uma ou outra medida tenha sido adotada nos últimos anos, ainda assim há um abismo a ser superado. Um exemplo clássico disso é a correção da tabela do Imposto de Renda da Pessoa Física, algo que há muito se comenta, mas nada é feito para reduzir uma desigualdade que apenas amplia a diferença econômica e social.

É muito imposto num país que precisa crescer e respeitar seu cidadão. São milhares de entraves burocráticos para que o sistema tributário seja forte e justo. Entraves históricos e políticos que só serão enterrados se houver a pressão sobre quem tem a capacidade de mudar a realidade, no caso a classe política nacional que muitas vezes não compreende a realidade – dura – das ruas.

O Feirão do Imposto é importante, todavia, não será apenas com isso que a mudança vai acontecer. É preciso que os empresários se envolvam mais na política para que suas reclamações possam ser atendidas de uma forma capaz de beneficiar não apenas aos empresários, mas principalmente os milhões de consumidores.