Editorial
O público e a privada

Destaque na edição desta quarta-feira (20), a sujeira nos banheiros públicos no Centro de Toledo – ao lado do prédio da Biblioteca Pública Municipal – infelizmente não chega a ser novidade, ainda mais porque o JORNAL DO OESTE tem nos últimos anos noticiado com frequência a má conservação deste tipo de espaço público. Não apenas no Centro, mas nos dois parques – tanto no Diva Paim Barth como no Luiz Cláudio Hoffmann – a situação dos banheiros públicos é lamentável.

Embora o público não tenha a obrigação de destinar a privada ao público, ainda assim quando o faz em Toledo procura realizar um serviço decente, com locais limpos e bem equipados. Aí vem a população que não sabe zelar pelo seu patrimônio, forçando o público a fechar a privada, causando indignação no público que precisa da privada. Pichações, torneiras quebradas, paredes riscadas, portas arrancadas, vidros estilhaçados são cenas lamentáveis vistas em todos os banheiros públicos da cidade pelo simples fato de existir ainda uma boa parcela de delinquentes entre os cidadãos que pagam seus impostos e zelam pelo patrimônio que é de todos.

Pode-se chamar do que quiser: de falta de educação, de questão cultural, de falta de oportunidades, etc. Independente do nome que se dê a este movimento de destruição em massa, a verdade nua e crua é que, em geral, o povo brasileiro é sim muito mal educado, não tem cultura e também nem sempre tem as devidas oportunidades. Tudo isso atenua, entretanto, não serve para explicar tudo da maneira simplória que muitos apontam, afinal, se está se dando a oportunidade seria melhor apropriada e não destruindo algo que beneficia toda sociedade.

Melhor – e mais fácil – seria fechar todos os banheiros públicos. Aí se acabaria com o problema, mas se estaria penalizando no atacado e não no varejo dos baderneiros, criminosos e delinquentes que sujam e depredam o patrimônio público. A solução, quem sabe, seria instalar câmeras de vigilância nas portas e nas áreas comuns, permitindo dessa forma à Guarda Municipal ao menos monitorar em tempo real o que se passa ao lado da privada porque dentro é um problema de cada um.