Editorial
Páscoa sem hipocrisias

Muitos acreditam que o nascimento de Cristo é o momento mais importante do cristianismo. Contudo, isso está mais ligado ao apelo comercial. A comemoração mais intensa é a Páscoa, quando Jesus ressuscita dos mortos. O tempo de preparação para a festa pascal inicia com a Quaresma, período no qual os cristãos buscam a conversão e a reaproximação com Deus. Quem busca viver isso sabe como é difícil passar esse período longe da hipocrisia.

Hipocrisia, porque nada adianta passar toda a Quaresma sem colocar uma gota de álcool na boca e no Sábado de Aleluia fazer um estoque de cerveja. Hipocrisia, porque nada adianta deixar de comer carne, mas de alimentar de ódio e rancor. Hipocrisia, porque nada adianta comprar doces e presentear familiares e desconhecidos e deixar faltar dentro de casa o amor e o respeito.

O jejum possui um sentido singular e tem como principal resultado produzir vida. “Quando jejuardes, não fiqueis com o rosto triste como os hipócritas. Eles desfiguram o rosto, para que os homens vejam que estão jejuando” (Mateus 6,6). É claro que a pessoa que opta por essa prática sente no organismo a abstinência do alimento, porém a essência do ato consiste em transformar o jejum em uma doação.

O alimento que deixou de servir a mesa durante o período quaresmal pode enriquecer o cardápio daquele que nunca consegue sentir tal sabor. A esmola que promove a dignidade do outro é aquela que somente Deus tem conhecimento. Uma ação oculta que o Senhor saberá recompensar. “Quando, pois, deres esmola, não faças tocar trombeta diante de ti, como fazem os hipócritas nas sinagogas e nas ruas, para serem glorificados pelos homens. Em verdade vos digo que já receberam o seu galardão” (Mateus 6,2).

Quem deseja mudar e sentir a presença de Deus de maneira mais plena ainda tem tempo. A Quaresma acabou, mas temos o resto de nossas vidas. Cristo perdeu a vida para que a humanidade tivesse a chance da salvação. Mas cada um escolhe o próprio caminho.

“Entrai pela porta estreita. porque larga é a porta e espaçoso o caminho que conduz à perdição, e muitos são os que entram por ela” (Mateus 7:13). Para suportar o caminho estreito é preciso estar sempre vigilante. Quando dividimos a palavra ORAÇÃO diante dos preceitos cristãos podemos encontrar dois verbos: ORAR + AÇÃO.

Que a Páscoa seja um momento de comemoração sem hipocrisias. Que as ações sejam verdadeiras e que não falte oração. Porque para quem crê, Cristo ressuscitou. Porque Ele vive. “Com efeito, de tal modo Deus amou o mundo, que lhe deu seu Filho único, para que todo o que nele crer não pereça, mas tenha a vida eterna” (João 3.16).