Editorial
Pura energia do furto

Quando a Copel anunciava em suas propagandas institucionais ser – ou gerar – ‘pura energia’, não tinha em mente estar sendo furtada por uma gama da sociedade que, em teoria, não precisaria agir dessa forma. Os chamados ‘gatos’ – ligações clandestinas para furto de energia elétrica – não são novidade, afinal, desde que a distribuição do serviço passou a ser feita os ‘gatos’ a acompanham. O que assusta é isso acontecer em residências e empresas de pessoas conhecidas e importantes em determinados segmentos sociais.

Quando a Operação Tensão Total foi deflagrada, houve uma série de denúncias de fraude ao Ministério Público. Ainda em processo de investigação foi apurado existirem casos simples e sofisticados, a ponto de pessoas ofertarem esses serviços, cobrando valores elevados para isso, contudo, o contratante se beneficia, pois quem paga a conta pelos furtos de energia é toda a sociedade.

Emblemática ainda a ação da Polícia Militar e de técnicos da Copel numa residência de elevadíssimo padrão localizada na avenida Maripá, isso instantes após a assinatura conjunta da Recomendação Administrativa nº 24/18 (4PJ) pela Copel e a Polícia Militar, prevendo a integração dos protocolos de atuação nos casos de constatação de fraudes em unidades de consumo de energia elétrica situadas em Toledo. A ação de orientar os procedimentos dos órgãos competentes foi pautada como pioneira pelos promotores responsáveis.

E é preciso agir com rigor, independente de quem esteja envolvido neste crime, não apenas contra a estatal, mas contra toda a sociedade. Corruptos de natureza tão podre quanto as almas de quem roubou na mão grande os cofres públicos com os recentes escândalos descobertos pela Operação Lava Jato. Fácil reclamar da classe política e de seus desmandos; cômodo criticar a parcialidade com a qual os ministros do Supremo Tribunal Federal julgam e deixam de julgar assuntos tão importantes para o desenvolvimento do país. Difícil é deixar de lado velhos hábitos cuja natureza é igualmente vil, desprezível, especialmente a pura energia do furto que vem acontecendo em Toledo.