Editorial
Tudo errado!

Esta foi uma sexta-feira, 13, para a população de Toledo, afinal, os dados apresentados pelo secretário de Saúde Thiago Stefanello foram espantosos e aterrorizantes e mostram que praticamente quase tudo deixado para ser concluído no Hospital Regional foi mal feito, ou não foi feito ou, pior, foi superfaturado. Somente na parte elétrica, mais de 30% dos materiais não foram aplicados ou estão instalados de maneira irregular, podendo provocar sobrecarga e problemas nos equipamentos que, além de serem caros, são extremamente sensíveis a qualquer oscilação de energia que fatalmente aconteceria se nada fosse feito.

De acordo com o laudo apresentado pela atual administração da Prefeitura de Toledo, para garantir a segurança e o bom funcionamento dos equipamentos é de extrema importância a revisão de 100% das instalações. Isso sem mencionar problemas na execução do projeto descobertos durante este processo de auditoria que sequer deveria existir, afinal, com tantas amarras e controles a obra deveria estar concluída dentro dos padrões exigidos no projeto original e atendendo às determinações do setor.

Essas falhas gritantes apenas reforçam a necessidade de se repensar a questão das licitações no Brasil, haja vista que esse modelo que aí está, de se optar sempre pelo mais barato acaba custando caro demais aos cofres públicos, afetando toda a sociedade, especialmente a mais necessitada e carente dos serviços públicos.

Enquanto a maior preocupação deveria ser em relação à futura gestão do Hospital Regional, hoje se percebe a emergencial necessidade de refazer uma série de coisas que já deveriam estar funcionando. Impossível não se revoltar com tamanho descaso e demagogia em relação a uma obra tão importante e vital para desafogar o atual sistema de atendimento público de Toledo e microrregião. Mais barato seria demolir e começar tudo de novo porque, ao menos pelas informações oficiais, tudo parece estar errado demais para se seguir despejando um dinheiro sem fim numa obra onde os culpados seguem livres e leves fazendo campanha e desfilando pelos corredores como se nada tivesse acontecido. E realmente não aconteceu!