Mauro Picini
Mauro Picini Moda & Estilo 01/01/19

Como se comportar na festa de confraternização da empresa?

Já é um costume com a chegada do final de ano as empresas realizarem seus encontros para confraternização, na festa de fim de ano ou ‘festa da firma’, comoalguns brincam. Contudo existem diversas dúvidas sobre esse tema, dentre os quais destaco: como se comportar, horário de chegada e saída, como se vestir, limites de ingestão de bebidas alcoólicas, dentre outras. Assim, reforço, esses fatos podem sim afetar sua imagem perante aos colegas e gestores.

 

Ir ou não ir?

A confraternização é o momento em que a empresa agradece seus colaboradores, estreita a parceria, comemora as conquistas e a conclui mais umano de trabalho, além de propiciar um encontro descontraído. Mas, lembro que esses momentos também são grandes canais de relacionamentos “networking”, onde há uma aproximação entre todos, independentemente dos níveis hierárquicos.

Portanto, estar presente nesses eventos torna-se importante e elegante, mesmo para os gestores, pois além de melhorar a amizade, demonstra seu interesse pelas realizações da empresa, evitando assim a taxação de pessoa não sociável ou que não gosta do ambiente de trabalho.

 

Evite problemas

Apesar de ser importante a ida, há relatos de excessos cometidos pelos participantes, levando a situações não comuns ou vexatórias. Isso pode causar transtornos futuros para a imagem da pessoa perante os colegas de trabalho.

Além disso, hoje os smartphones e as redes sociais, fazer com que muito do que é feito nessas ocasiões se perpetuem exercendo uma grande influência na vida pessoal e profissional, aumentando a vulnerabilidade da imagem perante o meio que se relaciona e causando uma má impressão não apenas para seus colegas de trabalho, mas a outras pessoas que possam ter acesso essas informações.

 

10 cuidados a serem tomados

Algumas atitudes devem ser evitadas como fazer declarações românticas para colegas de trabalho aos olhos de todos ou dançar de forma sensual causando constrangimentos aos participantes, dentre outras ações. Assim, apresento algumas dicas para que esses momentos sejam apenas de alegria e de descontração:

1. Aceite o convite da empresa e participe da confraternização, pois isto poderá ajudar a criar um ambiente de relacionamento saudável;

2. Não sendo possível comparecer, agradeça e informe o motivo pelo qual não poderá estar presente;

3. Chegue no horário para que possa ter tempo de cumprimentar a todos, lembre-se não se trata de uma balada;

4. Não exagere em bebidas alcoólicas durante a festa, beba com responsabilidade e não dirija após o término da festa;

5. Crie um ambiente de igualdade e procure se relacionar com todos os presentes, misture-se e evite grupinhos;

6. Use roupas discretas e condizentes com o ambiente, procure utilizar roupas alegres respeitando seu visual. As mulheres devem evitar roupas curtas ou com decotes e aos homens camisas abertas ou fora do padrão local;

7. Seja cordial com todos os presentes independente se não tiver contato próximo e buscar falar de temas neutros que não prejudiquem a imagemda empresa ou das pessoas;

8. Caso perceba que algum colega esteja exagerando, ajude-o retirando de forma sutil da situação e desviando a atenção para outros temas ou postura;

9. Sugiro não ser o último a sair da festa, não é uma regra, mas evita exageros;

10. Evite sair junto com os superiores, para que não passe a impressão que estava na festa apenas por causa do mesmo.

Enfim, é importante participar das festas comemorativas da empresa, mas fique alerta para evitar situações desagradáveis que poderá marcar sua imagem e causar transtornos momentâneos e brincadeiras futuras.

 

Como economizar e fazer com que seu dinheiro se multiplique

Professor do ISAE – Escola de Negócios dá dicas de investimento para quem não entende muito do assunto

Já chegamos no final do ano e nem todas aquelas promessas feitas para 2018 foram cumpridas. Porém, nunca é tarde para colocar melhores hábitos em prática. Reorganizar os gastos e tentar poupar um pouco mais de dinheiro, por exemplo, é um plano que não necessita de uma data específica. Mas, porque parece tão complicado mexer um pouquinho nas finanças? De acordo com o Aleksander Kuivyogi Avalca, professor de finanças do ISAE – Escola de Negócios, o primeiro e mais importante passo para conseguir progredir com as economias é trabalhar a mentalidade financeira e planejar algum tipo de investimento.

“Nosso ciclo financeiro acaba funcionando da seguinte forma: recebemos e pagamos aluguel, prestações, condomínio e diversas outras contas. Acabamos esquecendo de pagar a nós mesmos investindo no futuro”, comenta o professor. De acordo com o especialista, para conseguir economizar - ou mesmo investir - é necessário, antes de tudo, equilibrar presente e futuro. Pensar no dinheiro de agora e traçar uma meta para que ele cresça mais para frente. Por isso, a forma mais prática de dar o primeiro passo é guardar 10% do salário no mesmo dia em que ele cair na conta. “Isso faz com que a prática vire um hábito, pois é perfeitamente possível viver com 90% da sua renda”, aconselha.

Feito isso, o dinheiro pode ser inicialmente guardado em uma poupança, apenas para exercer a ação de separar a porcentagem do salário. “Porém, se o objetivo é fazer com que as economias comecem a multiplicar, a poupança é o pior dos investimentos, pois é o que menos rende. O conselho é deixar apenas um dinheiro de reserva, em torno de R$ 2 mil a R$ 5 mil para emergências, pois o valor pode ser retirado a qualquer momento”, detalha Avalca.

E para facilitar um pouco a vida de quem pretende organizar melhor as finanças, mas não sabe por onde começar, Avalca traz algumas dicas importantes sobre investimentos, que podem, inicialmente ser divididos em três categorias: de curto prazo (economia de 12 meses para viajar ou comprar algo no final do ano), de médio prazo (economia de 2 ou 3 anos para comprar algo mais caro como um carro, um apartamento ou uma casa) e de longo prazo (sem tempo determinado, tem o objetivo de incorporar a aposentadoria. É uma economia para não depender de fundo de garantia ou previdência, por exemplo).

Aqueles 10% que foram separados do salário devem estar no investimento a longo prazo. Tudo que for possível economizar a mais, pode ser utilizado para incorporar as outras reservas. “Para os iniciantes, o mais indicado é investir em Renda Fixa, como Certificados de Depósito Bancário (CDB) e Tesouro Selic”, sugere o especialista.

O CDB pode ser encontrado no próprio banco em que você possui conta. Esse investimento é um título de renda fixa do tipo crédito privado, oferecido por bancos. Isso quer dizer que você empresta dinheiro ao banco e eles te devolvem com juros, que serão definidos de acordo com o valor aplicado, o prazo do CDB e a situação financeira do banco. Esse tipo de aplicação já rende mais do que a poupança, por exemplo. A facilidade é poder colocar e retirar o dinheiro quando quiser. A única ressalva é o desconto do Imposto de Renda - quanto mais tempo deixar, menor será o IR. E caso a quantia seja retirada dentro de 30 dias, há o desconto Imposto sobre Operações Financeiras (IOF). “Cada banco tem regras e funcionamentos diferentes, mas no geral, o processo acaba sendo bem parecido com a poupança. Você transfere dinheiro para o CDB de um caixa eletrônico ou pela internet e não precisa necessariamente ser todo mês. Você deposita quando tiver”, explica.

Já o Tesouro Selic é um título atrelado à taxa de juros básicos da economia, oferecido pelo Tesouro Direto, um programa do Tesouro Nacional que vende títulos públicos federais para pessoas físicas, pela internet. O objetivo é democratizar o acesso aos títulos públicos, uma vez que a aplicação mínima pode ser de apenas R$ 30. “É uma espécie de empréstimo que você faz para o governo e ele te paga o valor com determinado retorno. Também é uma alternativa interessante, visto que trabalha com a mesma flexibilidade para a inserção e retirada de dinheiro, possui um valor baixo para o investimento mínimo e ainda rende mais do que a poupança”, comenta.

Ambos os investimentos, tanto o CDB quanto a Selic, tem o pagamento do Imposto de Renda detido direto na fonte. Ou seja, quando o dinheiro for recuperado, haverá o desconto em cima do valor rendido. “Mesmo assim, ainda são investimentos muito válidos para quem quer começar a planejar melhor vida e, dessa vez, com um maior foco no futuro”, completa Alvaca.

 

As seis dicas para entrar 2019 sem ressaca nas finanças pessoais

Consultor financeiro e autor do livro “Conquiste Mais”, Guilherme de Almeida Prado - fundador da Konkero, maior portal de finanças pessoais do Brasil -, aponta seis dicas para virar o ano sem a ressaca financeira.

O brasileiro tende a olhar para as despesas e pensar que não tem meios de cortar gastos. Em dezembro, com as festas de final de ano e as férias, o instinto de economizar, que normalmente já é escasso, agoniza diante de tantas promoções e da longa lista de presentes de Natal. Passada a euforia, janeiro chega com novas contas – IPTU, IPVA e matrícula escolar – que somadas aos gastos com o cartão de crédito natalino desafia até o mais hábil negociador. Para virar o ano sem ressaca nas finanças, o consultor financeiro Guilherme de Almeida Prado enumera seis dicas essenciais. Mestre em Administração de Empresas pela EAESP-FGV e autor do livroConquiste Mais, o empreendedor fundou o portal Konkero com a missão de transformar a vida financeira de milhões de brasileiros.

Por que é tão difícil gastar menos? Para Almeida Prado, a dificuldade vem da necessidade de romper velhos hábitos e mudar rotinas diárias; a demanda de criar uma nova dinâmica familiar com novos costumes financeiros; desenvolver a cultura da economia. “Toda mudança financeira exige novos hábitos e uma dedicação maior, no início do processo, para que seja incorporada de forma natural na família. Para isso, acredito que é preciso criar recompensas, envolvendo todos os membros – inclusive, as crianças. No caso de economizar no final de ano, a recompensa será entrar janeiro de 2019 sem sufoco de ter que deixar de pagar contas”, afirma o consultor, acrescentando que, para os filhos, a recompensa pode vir com a compra de um item diferente para o material escolar.

Abaixo, as seis dicas dadas pelo especialista em finanças pessoais.

DICA #1 |Atenção total à fatura do cartão de crédito. Ao longo do mês de dezembro, confira online como está a fatura de cartão de crédito para evitar surpresas em janeiro.

DICA #2 |Procure levantar quanto você gastou em janeiro do ano passado, incluindo as contas de início de ano (IPTU, IPVA, matrícula de escola, viagens, entre outros). Com base no total gasto, faça uma previsão de quanto precisa economizar para evitar o sufoco do início de ano.

DICA #3 |Se você é assalariado e vai sair de férias, vai receber o salário adiantado. Reserve esse dinheiro, pois na volta não receberá o salário mensal, uma vez que as férias são pagas antes.

DICA #4 |Se for viajar, estime quanto gastou da última vez para não ter surpresas.

 DICA #5 |Liste todos os presentes de Natal que falta comprar; estime valores e tenha uma ideia de quanto vai ter de desembolsar. Caso seja necessário, reduza a quantidade e valor dos presentes.

DICA #6 |Que tal um Natal diferente com os familiares mais próximos? Uma dica é combinar que os presentes sejam produzidos por cada um. Um pode dar um cartão; outro pode dar um bolo que fez etc. Pode ser um ótimo momento para resgatar os valores do Natal e gastar menos!

Guilherme de Almeida Prado salienta que economizar não é sinônimo de ter um final de ano sem celebração. “É possível encontrar os amigos, celebrar com a família, comprar presentes e desfrutar da alegria de final de ano. O que estamos propondo é fazer tudo isso com a consciência de que os recursos devem ser gastos com inteligência financeira. É possível evitar as ciladas que nos levam a entrar o ano no vermelho”, finaliza.

Fundado por Guilherme de Almeida Prado em 2012, o portal Konkero (www.konkero.com.br) é referência em comparação de produtos financeiros e finanças pessoais com mais de 1,5 milhão de visitas por mês. A plataforma é totalmente gratuita e reúne, de maneira descomplicada, mais de duas mil páginas de conteúdo e dezenas de vídeos com dicas de finanças pessoais e explicações sobre produtos financeiros. No site, os internautas têm acesso a comparativos de centenas de serviços financeiros, realizados por uma equipe de curadoria que procura formas de comparar de maneira fácil e intuitiva produtos e serviços financeiros dos maiores bancos, seguradoras, financeiras e administradoras de consórcio do país. Sempre com o objetivo de ajudar o consumidor a fazer a melhor comparação antes de tomar a decisão de compra.

A Konkero é um negócio de impacto social e foi selecionada para o relatório PNUD-ONU de negócios inclusivos, além de ter sido acelerada pela Artemisia. Em seis anos de atuação, a Konkero já auxiliou mais de 51 milhões de pessoas, tendo ajudado 4,6 milhões a negociar dívidas; 2 milhões a entender melhor o uso do cartão de crédito; 2,2 milhões aprenderam a preencher cheque; e mais de 600 mil a compararem taxas de financiamento de carro. www.konkero.com.br

 

Agentes de crédito do norte do estado conhecem Garantioeste e Biopark

A Associação Comercial e Empresarial de Toledo, recebeu a visita de agentes de crédito, vindos do norte do estado.

Recepcionados pelo presidente da Acit, Marcos Destefeni, os representantes das cidades de Londrina, Alvorada do Sul, Florestópolis, Porecatu e Arapongas conheceram ainda detalhes sobre a Sociedade de Garantia de Crédito do Oeste do Paraná (Garantioeste), além do Parque Cientifico e Tecnológico de Biociências (Biopark).

As apresentações ficaram por conta do presidente da Garantioeste, Edson Carollo, que pôde falar sobre a ferramenta que auxilia micro e pequenas empresas na busca por crédito para investimentos ou capital de giro, e também do gerente da área de Negócios do Biopark, Paulo Almeida, que apresentou o empreendimento lançado em setembro de 2016, fruto da iniciativa do casal de empresários Luiz e Carmen Donaduzzi.

O consultor credenciado ao Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae PR), José Romeu, que veio de Londrina ao encontro, conta que a visita teve por objetivo tomar Toledo como exemplo ao norte do estado. “Nos aspectos de políticas públicas, incubadoras e garantia de crédito, a região oeste está adiantada e este foi o momento de entender o processo, comparar nossa realidade e diante disso, visualizar caminhos para assumir avanços.”

Ele acredita que a vinda de agentes de crédito a Toledo terá impacto positivo em novos resultados. “Percebendo a dificuldade em nossa região, o escritório do Sebrae em Arapongas articulou a visita, reunindo grupos de municípios vizinhos para que conhecessem as possibilidades de desenvolvimento, inspirando-se através do alto potencial do oeste”, frisa Romeu.