Mauro Picini
Mauro Picini Sociedade + Saúde 26/09/18

Dicas CIMA/ I-ORTO de Toledo…

Essa doença se caracteriza pela sensação de dormência, formigamento e dor nas mãos. Em casos mais graves pode causar a perda da destreza nas mãos. Caso você tenha os sintomas há alguns dias, entre em contato com o CIMA para realizar uma consulta. Agende sua consulta! Agradecimento pela dica Dr. Luiz Otávio Bombonatto - CIMA / I-ORTO: (45) 3055-4055 - R. Guarani, 1768, Toledo/PR.

 

Dia Nacional da Doação de Órgão: crescimento do número de transplantes é insuficiente para reduzir fila

Enquanto um médico exerce o que pode ser a parte mais difícil de sua profissão, notificar familiares de sua perda, um fio de esperança é tecido para outra família. Quando existe a possibilidade e permissão dos familiares, a equipe atua rapidamente para que órgãos e tecidos de um paciente possam virar o marco de uma nova vida para outro. É em busca de maior conscientização e aceitação dos familiares que o Brasil comemora, em 27 de setembro, o Dia Nacional da Doação de Órgão.

Embora o processo para a doação no Brasil tenha apresentado evoluções importantes como sua desburocratização, o último levantamento da Associação Brasileira de Transplante de Órgãos (ABTO), via Registro Brasileiro de Transplante (RBT), aponta que a quantidade de procedimentos no Brasil apresentou números bem próximos no primeiro semestre de 2018 quando comparado ao mesmo período de 2017, um crescimento de apenas 1,7%. Na comparação com anos anteriores (2017/2016) o aumento foi de 3,5%, números que já eram insuficientes para reduzir a fila de pacientes na espera. Mais de 15 mil pessoas passaram a aguardar por algum tipo de transplante no primeiro semestre desse ano, o que culminou em uma lista de espera com 32 mil pessoas ao final de junho deste ano.

 

O profissional por trás do transplante

Entre a retirada e o transplante de um órgão existem uma série de etapas. Para que isso seja possível, é necessário que o órgão corresponda a uma série de exigências até chegar ao novo corpo. Essas etapas vão desde as mais simples, como a verificação do tipo sanguíneo, até uma série de análises realizadas pelo Médico Patologista. Este profissional é o responsável por verificar se o órgão está em pleno funcionamento para desenvolver sua função em um novo organismo.

“Para que um órgão seja aceito em um corpo diferente, precisamos levar em conta não só a classificação sanguínea, mas o tamanho e a capacidade de desenvolver suas funções, pois em casos de mortes por infecção, por exemplo, o transplante pode ser descartado”, explica o presidente da Sociedade Brasileira de Patologia (SBP), Dr. Clóvis Klock. A equipe médica, além desses especialistas, também é responsável por encontrar um destino com critérios de proximidade, considerando o tempo útil do órgão fora do corpo, gravidade do paciente e o tempo na lista de espera.

“Quando há um alerta de possibilidade de doação, tudo tem que acontecer com muita rapidez, partindo da conversa com os familiares, passando pela busca por um paciente compatível. Todo o processo deve acontecer respeitando o tempo limite de sobrevida de um órgão, que pode variar. Um coração pode ficar parado por até 4 horas, já um fígado resiste até 12 horas fora de um corpo e um rim aguenta 36 horas sem circulação sanguínea”, comenta o Dr. Klock.

 

O transplante além da sala de cirurgia

O processo de transplantar um órgão vai muito além de garantir que ele chegue em boas condições e que seja realizada com sucesso a cirurgia. Para que se possa afirmar com certeza que tudo deu certo, é preciso um processo de meses de acompanhamento. Isso porque é necessária uma atuação constante da equipe médica para garantir que o organismo se acostume e comece a funcionar adequadamente e sem risco de rejeições.

“Não é porque um coração começou a bater em um novo peito que o serviço está completo, o paciente ainda passará por muitos exames, biópsias e medicamentos para evitar a rejeição. O que nós médicos patologistas fazemos é avaliar a qualidade do funcionamento do novo órgão e o quanto ele está adaptado ao corpo e vice-versa”, finaliza o presidente da SBP.

 

Sobre a SBP

Fundada em 1954, a Sociedade Brasileira de Patologia (SBP) atua na defesa da atuação profissional dos médicos patologistas, oferecendo oportunidades de atualização e encontros para o desenvolvimento da especialidade. Desde sua instituição, a SBP tem realizado cursos, congressos e eventos com o objetivo de elevar o nível de qualificação desses profissionais.

 

Dados dos Transplantes:

Coração

189 transplantes;

1,8 por milhão de pessoas.

 

Fígado

1087 transplantes;

85 doadores vivos;

10,5 por milhão de pessoas.

 

Pâncreas

15 transplantes;

0,2 por milhão de pessoas.

 

Pâncreas/rim

43 transplantes;

0,4 por milhão de pessoas.

 

Pulmão

65 transplantes;

0 doador vivo;

0,6 por milhão de pessoas.

 

Rim

2.858 transplantes;

472 doadores vivos;

27,5 por milhão de pessoas.

 

Córnea

7.369 transplantes;

71,3 por milhão de pessoas.

 

Prati-Donaduzzi recebe estudante americano em Programa de Estágio

Robert entre colaboradores que o auxiliarão durante seu período na Prati-Donaduzzi

Robert Douglas McGhee veio ao Brasil para vivenciar uma nova experiência e a indústria farmacêutica Prati-Donaduzzi é o seu destino. Por cinco semanas ele terá a oportunidade de realizar a troca de conhecimentos sobre o mercado farmacêutico.

Estudante do curso de farmácia da University of the Incarnate Word (UIW) localizada no Texas, Estados Unidos, Robert será responsável por desenvolver um projeto na área de nutracêuticos. O Gerente dessa área na indústria, Adriano Braga, o acompanhará na execução das atividades. “Ele traz a experiência do consumidor norte-americano, e o conhecimento sobre as legislações específicas do país. Além disso saberá mais sobre o nosso processo produtivo de nutracêuticos. Sem dúvidas, será uma troca de informações bem positiva”, explica.

A realização desse intercâmbio evidencia a parceria que se mantém desde 2013 entre a Prati-Donaduzzi, UIW e Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR) - Câmpus de Toledo e fortalece as relações de internacionalização em relação ao mercado, produtos, legislações e metodologias de trabalho.

“Estamos na 11ª edição do estágio internacional e esse projeto nos permite ter uma visão mais abrangente das regulamentações americanas, através do intercâmbio de informações e experiências, além de possibilitar uma melhor visibilidade da marca no mercado”, explica a Gestora do Estágio Internacional na Prati-Donaduzzi, Denize Polla

 

Empresa especializada em negócios de família promove workshop sobre relações entre parentes e negócios

Evento Receita de Família é o primeiro de uma série que irá abordar temas relacionados à empresas familiares e suas particularidades

Thaíse Thomé fala sobre peculiaridades de empresas familiares durante lançamento da Farmiliares

O workshop Receita de Família será realizado no dia 27 de setembro (quinta-feira), às 19h, no Hotel Bella Itália, em Foz do Iguaçu. A organização é da Farmiliares, empresa lançada há dois meses pela consultora em empresas familiares Thaíse Thomé para atuar com foco em negócios administrados por famílias. Para participar, basta entrar em contato pelo telefone (45) 99802-3343 e fazer a inscrição. O valor é de R$ 100,00. Para a fundadora da Farmiliares, “a iniciativa vem de encontro com a necessidade, levantada em pesquisas, de as empresas familiares se profissionalizarem e de terem cursos na própria cidade, sem exigir grandes deslocamentos”.

 

O que será debatido?

O Receita de Família, primeiro workshop promovido pela Farmiliares, dará início a uma série de oficinas, com realização bimestral, organizadas para tratar de temas relacionados ao dia a dia e à gestão das empresas familiares. No dia 27 de setembro, as pessoas que compõem as empresas estarão no centro da abordagem, isso inclui as diferentes esferas desse processo: empresa, família e propriedade.

Três profissionais especializados participarão da explanação: a consultora em empresas familiares Thaíse Thomé, criadora da Farmiliares; a psicóloga Camila Clavisso, com especializações em Recursos Humanos, Coach e Programação Neurolinguística e o advogado e administrador Kenny Yuen, da terceira geração do Grupo Americanas. O Case das Casas Americanas, loja tradicional em Ciudad Del Este/PY, será apresentado para guiar os debates.

Para Kenny Yuen, a maior dificuldade - numa empresa familiar - é estabelecer limites entre a relação familiar e sanguínea com a relação de trabalho. “Quando se tem um inconveniente com alguém da empresa, mas que não é da sua família,” exemplifica ele, “fica mais fácil de administrar a situação, visto que, em regra, não se tem uma afinidade ou algum vínculo com esta pessoa, a não ser o laboral”. O diretor jurídico atuou em outras empresas como escritórios de advocacia, ministrou aulas em faculdade e trabalhou no Tribunal de Justiça do Paraná com o objetivo de ganhar experiência antes de assumir responsabilidades dentro da empresa da família.

Questões relacionadas à importância do desenvolvimento das empresas dirigidas por famílias serão esclarecidas pela consultora Thaíse Thomé. “Os espaços precisam ficar claros: O que é família? O que é gestão? O que é propriedade? Quem fica com quê? O que acontece em cada círculo? Tratarei desse inter-relacionamento dos núcleos e da importância da separação para se evitar conflitos que afetam o clima organizacional”, esclarece ela. “Um exemplo é o pai que, em casa, é centralizador. Na empresa, pode ser que um filho tenha assumido a direção e a hierarquia empresarial tem que ser respeitada.”

O tema da psicóloga Camila Clavisso será: Retenção e Desenvolvimento de Talentos. “Na sucessão familiar, há um processo que pode prejudicar a empresa que é a diferença entre a dificuldade de se compreender o que é educar um filho e o que é corrigir um funcionário [que é filho]”, pontua a especialista. Isso pode, muitas vezes, gerar conflito de papéis. Segundo ela, existem treinamentos e técnicas que podem auxiliar, tornando claras quais são as atitudes mais adequadas.

Além de promover debate, os workshops serão momentos de integração, de relacionamento, compartilhamento e trocas de experiências. “Nossa proposta é desmistificar temas que assolam as empresas familiares de forma bem sistêmica”, aponta Thaíse Thomé. O próximo assunto escolhido pela equipe da Farmiliares para ser tratado no workshop de novembro é “Finanças nas empresas familiares: planejamento e proteção patrimonial”.

A psicóloga Camila Clavisso será uma das especialistas participantes do workhop Receita de Família

 

Serviço

Workshop Receita de Família

Dia - 27 de setembro de 2018

Hora - 19h

Local - Hotel Bella Itália

Valor da Inscrição - R$ 100,00

 

Curitiba recebe evento sobre alimentação do futuro

Organizado pela Builders Construtoria em parceria com o Centro Europeu e com a Haze, o Foodtech Movement contará com nomes de peso para a discussão do uso das novas tecnologias na produção sustentável para consumo

No dia 03 de outubro, Curitiba será palco do Foodtech Movement, evento que discutirá a relação do ser humano com a produção e distribuição sustentável de alimentos no futuro, alinhada à tecnologia. Organizado pela pela Builders Construtoria em parceria com o Centro Europeu e com a Haze, o evento inédito na capital paranaense contará com a presença de grandes nomes do universo abrangente que envolve a alimentação.

O movimento, que teve origem em São Paulo (SP), visa reunir personalidades ligadas a indústria alimentícia em busca de respostas para o desafio de um futuro onde é possível alimentar a população de maneira sustentável. Em sua primeira edição curitibana, o Foodtech Movement contará com painéis e palestras com os temas “O ecossistema brasileiro de foodstartups”, “Food System – Um novo olhar sobre a cadeia e o jeito de consumir”, “Transformando tendências em negócios de alimentos e bebidas” e “Sustentabilidade e suas distintas abordagens”.

Além disso, o Foodtech Movement vai promover uma Batalha de Foodstartups, onde empreendedores terão a oportunidade de apresentar seus negócios inovadores com foco em oportunidades na cadeia que envolve a alimentação. As inscrições para a batalha estão abertas para qualquer startup que atue no segmento.

O Foodtech Movement será realizado no dia 03 de outubro, no auditório do Hotel Centro Europeu (Praça General Osório, 61 – Centro), das 18h às 22h. Os ingressos custam R$ 149 e estão disponíveis no site.

 

Viver para ter saúde...

A terapeuta Selma Fernandes Cavalli, sócia-proprietária da Kahena Espaço Natural, realiza na quinta-feira, 27, uma vivência que pretende orientar as pessoas a ter mais saúde pelos hábitos de vida. A programação inicia às 18h30min, com duração de quatro horas. Orientados por Selma, os participantes vão realizar reflexões e atividades que ensinam a viver no presente, livre dos acontecimentos do passado e das preocupações com o futuro. O investimento é de R$ 80,00 e inclui também um café colonial no encerramento. A vivência será realizada na Kahena Espaço Natural, na rua Ângelo Donin, 512, no Jardim Concórdia. Mais informações e inscrições pelo fone 45-3252-6113 ou  45 9912-2083.