A promissora área da Controladoria Jurídica nos escritórios de advocacia

Nos últimos anos, a Controladoria Jurídica vem ganhando destaque nos escritórios de advocacia por se tratar de uma área estratégica para o crescimento das empresas.

Para muitos, a Controladoria Jurídica se confunde com o setor administrativo, com as funções da secretária, do financeiro ou até mesmo dos estagiários. Na prática, essa confusão faz muito sentido se levarmos em consideração a formatação de alguns escritórios, onde, nem sempre, as funções do administrativo, financeiro, técnico e controladoria são bem definidas.

De forma clara, o setor de Controladoria Jurídica é uma ferramenta indispensável na gestão e automação operacional dos escritórios. Ela busca aperfeiçoar os procedimentos internos em busca de maior qualidade, redução de riscos e melhores resultados, tudo através dos indicadores de desempenho específicos de cada negócio.

Em suma, ela atrai para si as responsabilidades que roubam o precioso tempo da equipe técnica, dado como exemplo, as atividades de diligências, protocolos, checagem das atividades, impulsionamento dos trabalhos, emissão de relatórios internos e externos, dentre outras atividades do cotidiano.

A controladoria tem, por principal objetivo, desenvolver métodos de controle efetivo de prazos e contingências, monitorando constantemente as atividades individuais e coletivas, revelando a melhor forma de trabalho e proporcionando aos gestores condições de identificar ameaças e riscos internos. Aspectos operacionais e gerenciais como perda de prazos, controles, conferencias e revisões são alguns dos riscos que podem facilmente ser avaliados, podendo também possibilitar a análise de riscos estratégicos envolvendo orçamento, contingenciamento geral, provisões dentre outros.

Todas os atributos que a controladoria jurídica desperta dentro do escritório de advocacia os tornam um setor estratégico para quem pretende criar uma cultura organizacional na empresa ou ainda, para quem pretende manter a qualidade dos serviços jurídicos prestados.

Neste sentido, é preciso desmistificar a falsa premissa de que o setor de controladoria não gera lucro para os escritórios de advocacia. Isso porque, inobstante ela não seja uma área de produção jurídica e que gere retorno financeiro direto, indiretamente, o trabalho do setor torna-se fundamental para o desenvolvimento da empresa e para o fluxo econômico do negócio jurídico.

Portanto, investir sem medida neste setor promissor é certeza de bons resultados, prevenção de riscos gerenciais, melhora no relacionamento com os clientes e aprimoramento na qualidade e segurança dos serviços prestados pelos profissionais do direito.

Bruna Nesello é advogada do Escritório Fonsatti Advogados Associados com escritórios em Toledo e Dourados (MS)