Considerações sem fronteira!

Para quem não conhece a Organização Médicos Sem Fronteira, MSF, como é conhecida é uma importante instituição criada na França, em 1971 e que atua no mundo, em locais desfavorecidos pelo abastecimento de profissionais de medicina, como países da África, levando médicos, conhecimentos e socorro humanitário a todos aqueles que estão entregues a condições de quase abandono pela sorte do universo.

O trabalho dessa Instituição tem um reconhecimento internacional importantíssimo no mundo a tal ponto de ter merecido, em 1991 o prêmio Nobel da Paz.

Tudo ia muito bem, até que a referida instituição, no dia 15 deste abril, resolveu publicar uma reportagem criticando todos os esforços que temos vindo a fazer, por aqui no Brasil, no enfrentamento à pandemia da Covid-19. Publicou muita coisa que são, inegavelmente verdade, porém deixou outras que são absolutamente reais e fundamentais para que, quem lesse a reportagem, ficasse com uma noção mais precisa do que está a ser feito nessa parte do Planeta e que pode servir de exemplo para outras Nações do mundo. Senão vejamos: A publicação, no afã de menos prezar todo o esforço nacional feito para reduzir os resultados que temos no confronto à pandemia, anunciou que o Brasil já tem 13, 6 milhões de pessoas infectadas por essa desgraça monumental, o que é absolutamente verdade. Porém deixou de informar que, desse número todo, 12,34 % estão recuperados o que significa um número de 90,7 por cento de recuperação dos infectados. É pouco? Quantos países do mundo tem esse grau de sucesso no tratamento da pandemia?

Outra crítica: Vacinação aquém do desejável! 35 milhões de vacinados numa extensão de 8 milhões de quilómetros quadrados, em noventa dias, é pouco? A vacinação começou no mundo, na Inglaterra no dia oito de dezembro, e no Brasil no dia 17 de janeiro. Partindo da premissa de que não há vacinas no mundo, podemos falar em falta de planejamento de quem? Nossa ou do mundo?

O presidente dos Médicos Sem Fronteira, segundo a reportagem, disse: “A resposta à pandemia precisa urgentemente de um recomeço, baseado em conhecimentos científicos e bem coordenado, para evitar mais mortes desnecessárias e a destruição de um sistema de saúde conceituado e prestigiado” Esse senhor quis dizer o quê e para quem, com essa frase? Alguma vez, alguma cartomante, pajé ou curandeiro, falou a esse senhor como a pandemia deveria ser conduzida?