Os Cuidados Socioemocionais de uma Escola

Muito antes do despontar da pandemia, já surgiam grandes desafios na educação brasileira. No ano de 2020 aconteceria a implementação da Base Nacional Comum Curricular (BNCC), com o propósito de potencializar políticas e ações educacionais e diminuir a desigualdade na aprendizagem. Contudo, a COVID-19 atingiu o mundo, trazendo a realidade do aprendizado remoto. Talvez seja cedo para definir as perdas que a pandemia trouxe para a vivência educacional de nosso país, mas com certeza este cenário afetou todos os âmbitos da vida humana.

Para nos aprofundarmos um pouco mais acerca das marcas da pandemia na educação, recordamos alguns fatores que afetam o processo cognitivo, como: ansiedade, insegurança, estresse e falta de inteligência emocional. Sem dúvida, essas emoções interferem negativamente nas práticas pedagógicas e no desenvolvimento intelectual dos educandos. Tal realidade só tende a se agravar com a necessidade de reclusão domiciliar estendida, em que os recursos e as interações são limitados, com estímulos sociais quase nulos, e o contato com as demais pessoas reduzido aos processos tecnológicos dos eletrônicos (computadores, celulares, tablets, etc.).

Além disso, referências de saúde alegam que a situação de isolamento social e a sensação de insegurança trazidas pela pandemia, podem refletir em variados comportamentos que vão desde medo e incerteza até sentimentos de solidão, frustração, raiva ou tédio.

Em virtude desses fatos, as instituições de ensino passam a ter uma responsabilidade ainda maior no acompanhamento dos estudantes e das famílias. Seguindo por esse caminho, é ainda mais importante que a escola tenha um currículo que atenda às necessidades do momento, cultivando as faculdades intelectuais, mas também promovendo o sentido de valores e preparando para a vida profissional.

Nesta perspectiva, elencamos uma das principais configurações da escola marista, o espaço de pastoral, capaz de articular fé, cultura e vida. A principal intenção do Projeto Político-Pedagógico-Pastoral (PPPP) é entrelaçar os valores maristas com as nossas diretrizes, reafirmando assim, a identidade e o ideal educativo evangelizador.

Portanto, o protagonista de nossa missão, o educando, faz parte da história e a transforma, interpreta o mundo e quer dar sentido à sua caminhada. É uma etapa da vida em que se vive um processo de crescimento e amadurecimento, com sonhos, aspirações, medos e alternativas. Na educação marista, cabe à pastoral acompanhar este processo. De acordo com as Diretrizes da Ação Evangelizadora (2011), buscamos identificar os elementos que são comuns entre a educação formal e a educação na fé, e reforçamos aqueles que promovem a dignidade humana em sua totalidade.

Ao mesmo tempo em que a pandemia apresentou sentimentos de medo, insegurança e abalo emocional, vimos força e vigor dos jovens no que se refere à dignidade humana. Testemunhamos estudantes engajados na produção e venda de quitutes e máscaras, revertendo todo o lucro na compra de cestas básicas, as quais foram destinadas a pessoas em vulnerabilidade social. Para amenizar o isolamento e a solidão desse momento, inauguramos os “Acampamentos Virtuais”, no qual os adolescentes e jovens amenizaram a saudade dos amigos, guiados por dinâmicas, desafios e muito diálogo. Também alcançamos muitos lares de várias famílias frente aos nossos grupos de oração e aprofundamento, com “lives”, transmissões e vídeos.

A vista disso, segundo a BNCC, os estudantes precisam ser capazes de aprender a agir com autonomia emocional, respeitando e expressando seus sentimentos e emoções. Necessitam atuar em grupo de maneira funcional construindo novas relações, com respeito à diversidade e se mostrando solidários aos demais. Ao olharmos para nossa missão e caminhada, muito nos alegra depararmo-nos com tamanho resultado. E que nossos processos educacionais, atendam cada vez mais as necessidades exigidas pela BNCC, mas acima de tudo, estejam alinhados com as demandas e urgências que o mundo atual nos reivindica.

Maurício Eduardo Bernz é mestre em Educação, tem especialização em Filosofia e é coordenador da Pastoral do Colégio Marista de Maringá