Coluna da ADI 08/12/2020

BRDE e as cooperativas

O Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE) financiou R$ 191,9 milhões, entre janeiro e novembro de 2020, a cooperativas agrícolas paranaenses. A Copacol, com sede em Cafelândia, e a Lar, de Matelândia, estão entra as cooperativas que receberam apoio com crédito, neste ano. Atualmente, o banco tem 60% de sua carteira direcionada a agricultores e agroindústrias. Mesmo atuando somente nos três estados da Região Sul, é o maior operador do Programa de Desenvolvimento Cooperativo (Prodecoop) do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). Atualmente, de acordo com dados da Organização das Cooperativas do Paraná (Ocepar), existem 215 cooperativas no Estado.

Caminhões elétricos

Pouco tempo depois de comunicar que começará a vender uma gama completa de caminhões elétricos na Europa em 2021, a Volvo amplia sua oferta desse tipo de veículo para mais uma região do planeta: a América do Norte. A produção em série do modelo VNR Electric naquele mercado também começa no próximo ano. A Volvo acaba de anunciar que seu caminhão VNR Electric, projetado para aplicações de distribuição regional, já está disponível para comercialização na América do Norte. Equipado com motores com potência equivalente a 455 hp, alimentados por baterias de íon-lítio de 264 kWh, o veículo pode ser recarregado em até 80% em apenas 70 minutos, o suficiente para uma autonomia de até 240 km, dependendo da configuração do caminhão.

Alerta climático

A criação de uma plataforma de alertas climáticos, baseada em equipamentos meteorológicos de baixo custo para monitorar chuva, umidade e emissão de gases de efeito estufa na cidade e no campo, é a ideia que vai representar o Paraná em um desafio global no mês que vem. A proposta foi a vencedora do hackaton climático (Climathon) deste ano promovido pela Impact Hub Curitiba. A equipe Monitora Tupã, vencedora do desafio estadual, vai representar o Paraná na competição global, em janeiro, junto com outras cerca de 100 equipes. Esta foi a primeira vez que o Governo do Estado, por meio da Secretaria do Desenvolvimento Sustentável e do Turismo, atuou como parceiro do projeto, com o Desafio Paraná.

Plano de saúde

O número de brasileiros beneficiários com plano de saúde voltou a crescer em outubro, de acordo o balanço da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) divulgado na última sexta-feira, 4. Em outubro, o país registrou 47,2 milhões de beneficiários com plano de saúde, o que representou um leve crescimento em relação ao apurado em setembro (47 milhões). O desempenho verificado em outubro também é o melhor registrado neste ano, segundo a agência. Com a crise econômica provocada pela pandemia de coronavírus, o número de beneficiários chegou a recuar para 46,7 milhões em junho.

Emprego em novembro

O Indicador Antecedente de Emprego (IAEmp) perdeu força no ritmo de recuperação em novembro e o mercado de trabalho do Brasil enfrenta um cenário desafiador para os próximos meses, segundo dados divulgados na última segunda-feira, 7, pela Fundação Getulio Vargas. O IAEmp, que antecipa os rumos do mercado de trabalho no Brasil, recuou 0,4 ponto no mês passado, a 84,5 pontos, quebrando uma série de seis altas consecutivas. O Indicador Coincidente de Desemprego (ICD) avançou 3,2 pontos, a 99,6 pontos, seu maior patamar desde maio deste ano. O ICD é um indicador com sinal semelhante ao da taxa de desemprego, ou seja, quanto menor o número, melhor o resultado.

Carne bovina

As exportações de carne bovina do Brasil cresceram 10% em volume em novembro, com as compras chinesas voltando a aumentar em relação ao mês anterior, apontou a associação de indústrias Abrafrigo. A exportação em novembro atingiu o recorde no ano com uma movimentação de 197.852 toneladas (in natura e processada) e receita de US$ 844,8 milhões, praticamente estável ante o mesmo mês do ano passado. A China aumentou suas compras de 109 mil toneladas em outubro para 123 mil toneladas em novembro, disse a Abrafrigo, citando dados do governo. No acumulado do ano, as exportações atingiram a 1,85 milhão de toneladas, versus 1,7 milhão no mesmo período de 2019. As receitas, por sua vez, alcançaram US$ 7,7 bilhões até novembro de 2020, contra US$ 6,8 bilhões no mesmo período de 2019.

Projeção para o PIB

Os economistas do mercado financeiro alteraram suas projeções para o Produto Interno Bruto (PIB) em 2020. Conforme o Relatório de Mercado Focus, a expectativa para a economia este ano passou de retração de 4,50% para queda de 4,40%. Há quatro semanas, a estimativa era de baixa de 4,80%. Para 2021, o mercado financeiro alterou a previsão do Produto Interno Bruto (PIB), de alta de 3,45% para 3,50%. Quatro semanas atrás, estava em 3,31%. No Focus na última segunda-feira, 7, a projeção para a produção industrial de 2020 foi de baixa de 5,03% para retração de 5,00%. Há um mês, estava em baixa de 5,49%. No caso de 2021, a estimativa de crescimento da produção industrial seguiu em 5,00%, ante 4,00% de quatro semanas antes.

Venda de veículos

O mês de novembro teve 225 mil veículos licenciados em todo o país, segundo dados da Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea). No mês, houve crescimento de 4,6% nas vendas em relação a outubro. Mesmo com nova alta em novembro, a indústria automotiva ainda se recupera da crise causada pela pandemia do novo coronavírus. Comparado ao mesmo mês de 2019, houve queda nas vendas de 7,1%. De janeiro a novembro, o mercado brasileiro de carros, comerciais leves, caminhões e ônibus somou 1,81 milhão de unidades. Isso representou uma queda de 28,1% na comparação com o mesmo período do ano passado.

Produção de veículos

Com o maior volume em 13 meses, a produção das montadoras subiu 0,7% na passagem de outubro para novembro, chegando a 238,2 mil unidades, entre carros de passeio, utilitários leves, caminhões e ônibus. Na comparação com novembro de 2019, a produção de veículos teve alta de 4,7%, conforme balanço divulgado pela Anfavea, a entidade que representa a indústria nacional de veículos. Desde outubro do ano passado, quando foram montadas 288,5 mil unidades, as montadoras não registravam volume tão alto. Esta é também a primeira alta da produção na comparação anual em 13 meses. O setor ainda tem limitações de oferta porque, além da insuficiência de alguns insumos na cadeia, as montadoras aguardam por sinais mais claros de que a recuperação é consistente antes de reativar turnos fechados na pandemia.

Negócios da China

As exportações da China aumentaram no ritmo mais forte em quase três anos em novembro, uma vez que a forte demanda global por produtos necessários para enfrentar a pandemia garantiu à segunda maior economia do mundo um superávit comercial recorde. As exportações subiram em novembro 21,1% em relação ao ano anterior, mostraram dados da alfândega na última segunda-feira, 7, o crescimento mais forte desde fevereiro de 2018. O resultado também superou com força a expectativa de analistas de expansão de 12,0% e acelerou ante a alta de 11,4% em outubro. As importações avançaram 4,5% em novembro na comparação com o mesmo mês do ano anterior, contra crescimento de 4,7% em outubro e abaixo da expectativa de aumento de 6,1%, mas ainda registrando o terceiro mês seguido de aumento.

Preço do ferro

Os contratos futuros do minério de ferro atingiram nível recorde em Cingapura e ampliaram o rali impulsionado pelos dados de importação da China, que refletiram a demanda contínua das siderúrgicas do país. As compras da China, maior fabricante de aço do mundo, somaram cerca de 100 milhões de toneladas em novembro, um recorde para o mês, segundo dados da administração alfandegária divulgados na segunda-feira. Com o resultado, o volume das importações no acumulado do ano atingiu 1,073 bilhão de toneladas e superou as compras totais em 2019. Em números gerais, as exportações totais da China em novembro deram o maior salto desde o início de 2018. A força da economia e a produção de aço da China, combinada com os riscos de abastecimento, levaram os futuros a níveis recordes.