Coluna do Editor 07/12/2020

Líder

Genivaldo, como já adiantado neste espaço, é hoje o mais cotado para ocupar o cargo de líder do Governo na Câmara Municipal.

Nós também!

Outro partido que pelo jeito sinaliza conversar com Lunitti é o PSD. Ao menos foi isso que Adelar ‘Pelanka’ Holsbach deixou transparecer no encontro realizado quinta-feira na Câmara Municipal, com a presença do líder do Governo na Assembleia Legislativa do Paraná, o deputado estadual Hussein Braki.

Convite

Por falar nisso, Marcos Zanetti deverá ocupar um cargo dentro do Governo do Estado a partir do próximo ano. O candidato a vice ao lado de Lucio de Marchi foi convidado.

Sem representação

Comentei sobre a eleição de Marcelo Marques (Patriota) como representante da Renovação Carismática à Câmara Municipal em Toledo e também sobre a falta de união na Guarda Municipal, que lançou um monte de candidatos e ficou sem ninguém, mesmo tendo votos suficientes para eleger pelo menos um vereador.

Esporte também

E na Secretaria Municipal de Esportes e Lazer aconteceu a mesma coisa. Quem me lembrou foi justamente um dos candidatos: Jean Zeni que estava, segundo ele, “há quase 2 anos planejando” sua candidatura, e daí “aos 49 resolveram lançar o Douglas (Rech)… daí teve o (Emerson) Jerônimo também… somando os três entrava um”. E isso sem contar a ex-vereadora Marli Gonçalves Costa, a Marli do Esporte.

Apoio

Ainda de acordo com Jean, ele teria pedido apoio que, convenhamos, ficou difícil pelos caminhos escolhidos.

Lição

De qualquer maneira é mais uma lição a ser aprendida para que os egos possam ser amainados antes de algumas definições.

Saneamento

A infraestrutura de saneamento básico, mais especificamente os serviços de abastecimento de água e esgotamento sanitário, passa por forte transformação no Brasil com a aprovação da Lei 14026/2020, o novo Marco Legal do Saneamento Básico. A Lei era aguardada porque os indicadores do Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento (SNIS 2018) revelam a urgência da pauta no Brasil. Aproximadamente 35 milhões de brasileiros vivem em locais sem abastecimento de água potável, mesmo em meio à pandemia de Covid. Quase metade da população brasileira não dispõe de coleta de esgoto e do total do esgoto gerado no país apenas 46% é tratado, o que significa que o país despeja mais de 5.700 piscinas olímpicas de esgotos sem tratamento na natureza diariamente.

Desafios

Este novo estudo do Instituto Trata Brasil, chamado “Desafios dos Estados Quanto aos Investimentos em Saneamento Básico a partir do Novo Marco Legal”, feito em parceria com a GO Associados, detalha os desafios a serem enfrentados pelo país e Unidades da Federação para se chegar às metas. O estudo usou dados de investimento e atendimento de água e esgoto do SNIS, meta de investimento do Plansab e do diagnóstico realizado pela ABCON-KPMG em 2019. A metodologia do novo diagnóstico do Instituto Trata Brasil pode ser consultada no relatório completo disponível em www.tratabrasil.org.br

Em alta…

Em resumo, é possível constatar que três unidades da Federação já estão com serviços próximos da universalização e tem patamar de investimentos semelhante ao previsto no Estudo da ABCON: São Paulo, Paraná e Distrito Federal. Sete têm média histórica de investimentos relevantes, mas abaixo do previsto para a universalização: Pernambuco, Roraima, Minas Gerais, Espírito Santo, Mato Grosso do Sul, Rio de Janeiro e Sergipe.

…em baixa

Mas 17 unidades da Federação têm média histórica de investimentos muito abaixo do previsto para a Universalização dos serviços. Destes, apenas cinco estão com estudos ou projetos de parcerias e/ou concessões em andamento para maior mobilização de investimentos. São eles: Rio Grande do Sul, Acre, Ceará, Piauí e Amapá.