Coluna do Editor 10/02/2021

Atraso

A primeira sessão ordinária da atual legislatura da Câmara de Toledo começou com exatos 12 minutos de atraso. Eram 14h12 quando o presidente Leoclides Bisognin (MDB), visivelmente irritado com as falhas do sistema, abriu os trabalhos pela metade, haja vista nada funcionar. O jeito foi apelar para a boa e velha chamada oral.

Prefeito lá

Cumprindo a legislação – e uma tradição – o prefeito Beto Lunitti (MDB) participou da abertura oficial dos trabalhos no Legislativo e, num discurso bastante coerente, apresentou uma parte dos projetos pensados. Ele começou dizendo que seu objetivo é “fazer o melhor para todos” e que fazer o melhor envolve também a vontade dos vereadores.

Fiscalização

“Queremos que os vereadores cumpram com seus preceitos, inclusive o de fiscalização do Executivo”, disse o prefeito, ressaltando ser o maior interessado “em que tenhamos os holofotes do poder Legislativo” em cima das ações executadas pela gestão municipal. “Nosso dever é fazer tudo dentro da legalidade”, acrescentou Beto.

Encontro

Outro ponto importante do discurso foi o prefeito ter citado que deverá ter uma reunião de trabalho com os vereadores nos próximos dias a fim de discutir qual a melhor forma de atender a comunidade, “não com o prato pronto. Temos nossa personalidade de trabalho, mas estamos abertos a sugestões”, disse Lunitti.

Hospital Regional

O prefeito comentou ainda sobre a questão do Hospital Regional que, em sua opinião, precisa avançar. “Não podemos ficar nos escondendo atrás dos problemas”, disse Beto Lunitti, citando que desde agosto se tenta contratar um engenheiro mecânico para acompanhar a obra, mas sem sucesso. “Não vamos discutir problemas. Vamos discutir soluções. Olhar para frente”, emendou.

Futuro

O prefeito cobrou ainda dos vereadores e responsabilidade em apresentar propostas para a construção de um Plano Diretor completo e não apenas com a visão imobiliária e citou ser necessário discutir o futuro do Parque das Águas.

Custo elevado

Este é um problema antigo que Lucio de Marchi (PP) já havia levantado. O último secretário de Desenvolvimento Econômico, Alcídio Pastório, inclusive, havia comentado comigo no período de transição a necessidade de se rediscutir o espaço diante do alto custo de manutenção, fato que o prefeito Beto Lunitti confirmou. Segundo ele, o custo extrapola o que é sensato ao gestor público.

Parceria

O vereador Gabriel Baierle (DEM) visitou o Jornal do Oeste e comentou ter uma ideia a ser apresentada ao prefeito sobre o Parque das Águas: a formatação de uma parceria público-privada (PPP) ou então a cobrança de um ingresso popular, com a renda sendo revertida na manutenção do espaço.

Dívida

Ainda esta semana o Executivo deverá encaminhar à Câmara um projeto de lei que tenta resgatar em dívida ativa quase R$ 130 milhões. A ideia é ampliar o prazo para pagamento dessa dívida para 10 anos. “Não estamos dando desconto, mas esticando o tempo para pagar para quem está enfrentando alguma dificuldade”, citou o prefeito Beto Lunitti ainda em sua participação na abertura dos trabalhos no Legislativo.

Contas em dia

Uma audiência pública, dia 24, servirá para apresentação dos números exatos da Prefeitura de Toledo, entretanto, as contas foram parecem ter sido deixadas rigorosamente em dia pelo ex-prefeito Lucio de Marchi. O superávit no ano passado teria sido de R$ 72 milhões.

Frase

“Falo demais e sou ouvido de menos”. A frase é de um amigo empresário que me visitou esta semana e pediu anonimato. Refere-se às questões políticas, nas quais ele tem sido questionado sobre o que pensa e, quando expressa aquilo que enxerga, sente na pele o quanto ser direto custa num país como o Brasil.