Coluna do Editor 21/07/2021

Agenda

Comentei ontem aqui sobre a agenda do deputado Aroldo Martins no fim de semana em Toledo. Estranhei o fato do único vereador do Republicanos não ter participado de nenhum dos encontros. Fui atrás e, segundo informações, a orientação de Brasília e Curitiba era para marcar sem a presença do vereador porque, de acordo com a direção do partido, “em Toledo o Republicanos não tem vereador”.

Tem sim

Oficialmente tem: é o atual líder de Governo do prefeito Beto Lunitti na Câmara Municipal, vereador Dudu Barbosa.

Postura

A ‘bronca’ do partido pode estar relacionada à postura de Dudu, justamente assumindo um cargo que vai contra a posição do Republicanos local.

Passado

Para quem não se lembra, o partido indicou o candidato a vice-prefeito, o empresário Beto Ignácio (Casa da Pistola e das Bombas), na chapa formada com Tita Furlan, ou seja, oposição ao atual prefeito.

Reclamação

Não é a primeira vez que a postura de Dudu Barbosa é motivo de reclamação dentro do Republicanos. A forma como ele vem votando também não tem agradado a direção da legenda. E se antes o problema era apenas em Toledo, pelo jeito ultrapassou fronteiras.

Fundo Eleitoral

A Caciopar emitiu uma nota onde repudia o aumento do Fundo Eleitoral. “A pandemia que já levou tantos brasileiros a óbito, que trouxe dificuldades extremas a diversos setores produtivos e que aumentou o número de desempregados apresenta outra face igualmente perversa. É o oportunismo, a falta de sensibilidade e ambição de boa parte daqueles que se dizem representantes do povo”, traz o documento.

Choque

Ainda segundo a nota, “é difícil aceitar que, em meio à maior crise sanitária dos últimos cem anos, que a Câmara Federal priorize assuntos em total contradição às reais necessidades e expectativas dos brasileiros. É exatamente o que acaba de ocorrer com a aprovação do aumento do valor destinado ao Fundo Eleitoral, que chegará a R$ 5,7 bilhões em 2022. A insensibilidade dos 278 deputados que votaram a favor do acréscimo do valor destinado aos partidos políticos é de chocar até o mais desatento e indefeso dos brasileiros. É lamentável perceber que a prioridade de muitos parlamentares é exatamente oposta àquilo que os cidadãos e pagadores de impostos esperam que eles façam”.

Desconectado

Para a direção da Caciopar, essa decisão, abusiva e infeliz, “mostra o quanto o Congresso está desconectado do Brasil e de suas reais aspirações. Os deputados e senadores foram eleitos para representar e defender os interesses do povo e não para atender a apelos individuais ou de pequenos grupos.

Em vez de elevar a soma destinada ao Fundo Eleitoral, o povo esperava que os congressistas, munidos de responsabilidade e empatia, destinassem essa soma a causas sociais e humanitárias, ou que simplesmente abrissem mão dela. Mas, infelizmente, o que se vê é justamente o contrário. Essa não é uma matéria prioritária ao País, que há muitos anos clama por reformas sérias que poderiam fazer dele uma grande, justa e próspera nação”.

“A Caciopar lamenta e repudia a escolha dos 278 deputados que entendem que, apesar de tudo o que acontece no mundo e no Brasil, há dinheiro suficiente para elevar a participação do contribuinte nas suas tentativas de reeleição. Por mais difícil que seja aceitar posições como essa e outras que escancaram as portas do setor público à corrupção, a Caciopar tem fé e esperança que um dia o Brasil será, com justiça e pompa, um país digno e de pessoas sérias e realmente comprometidas com o futuro das próximas gerações”, finaliza a nota.

Cargos

Por falar em gastos, a tal reestruturação administrativa prometida pelo prefeito Beto Lunitti, para tornar mais ágil a gestão, começou pela Comunicação Social, que perde o status de secretaria para ficar ‘pendurada’ no Gabinete do prefeito. Agora terá cargo de Coordenador de Produção de Rádio, Coordenador de Mídias Sociais, Diretor de Eventos, Diretor de Jornalismo, Diretor de Comunicação Social, Assistente de Gabinete…vai faltar gente para nomear!

Sem economia

Numa continha básica, tomando por base apenas a Comunicação, haverá é aumento de gastos e não economia.

Ficha Limpa

A Lei nº 2.194, de 2 de junho de 2015, que institui o regime Ficha Limpa como requisito para o ingresso em cargo ou emprego público no Município de Toledo, sofreu uma alteração na semana passada. Agora, além de todos os outros requisitos já previstos, não se pode ter cometido algum crime contra a criança e o adolescente.