A renovação sem rede social

O evangelho de Mateus (6,1-6.16-18) muito tem a ensinar nos dias de hoje. Em tempos de uso exacerbado das mídias sociais, em que nem todos sabem ponderar e limitar o que de fato precisa ser ‘jogado’ na rede, o evangelho exalta o amor a Deus e ao próximo; uma conexão única sem plateia, sem seguidores, sem curtidas.

A reflexão é para que o período quaresmal possa ser vivido intensamente, mas somente o cristão e Deus. Sem hipocrisias. Quaresma é tempo de renovação, de penitência, de jejum, de oração, de fazer viver um ‘novo ser’ ao se libertar de vícios e levar a solidariedade ao próximo.

“Quando deres esmola, não saiba a tua mão esquerda o que faz a tua direita,

para que a tua esmola fique em segredo; e teu Pai, que vê o que está oculto, te dará a recompensa. Quando rezardes, não sejais como os hipócritas, porque eles gostam de orar de pé, nas sinagogas e nas esquinas das ruas, para serem vistos pelos homens. Em verdade vos digo: já receberam a sua recompensa.

Tu, porém, quando rezares, entra no teu quarto, fecha a porta e ora a teu Pai em segredo; e teu Pai, que vê o que está oculto, te dará a recompensa. Quando jejuardes, não tomeis um ar sombrio, como os hipócritas, que desfiguram o rosto, para mostrarem aos homens que jejuam. Em verdade vos digo: já receberam a sua recompensa” – trecho do evangelho de Mateus para ser aplicado para a toda a vida.

Orar, jejuar e dar esmola é um conjunto de atos que acontece no mesmo contexto. Como se uma ação complementasse a outra. A oração é um momento intimo com Deus e tende a edificar a alma e promover uma evolução espiritual.

O ato de orar pode desencadear a necessidade de jejuar, o desejo de abandonar um vício. Algo que pode vir a completar esse ciclo com a solidariedade ao próximo seja pela doação de alimento, de ajuda financeira, daquilo que o próximo precisa.

Cada um sabe o que o espírito precisa e deve buscar formas para alcançar isso e ser uma pessoa melhor. Todos são livres para fazer as próprias escolhas, contudo, o outro não precisa saber. Se o tempo de conversão for de mais oração, mais penitência, mais doação ao próximo que ‘a mão esquerda não saiba o que faz a direita, para que a esmola fique em segredo’; sem exposição para que o momento seja apenas com Deus.