As ‘malandragens’ da vacina

Tem sido, infelizmente, cada vez mais comum acompanhar cenas e relatos de pessoas que tiveram parentes ou amigos ludibriados na hora de receber a tão esperada dose de vacina contra a Covid-19. Nesta segunda-feira, por exemplo, o Fala Brasil da Rede Record mostrou quase uma dezena de novos casos em diversos estados. A boa notícia é que, comprovada a fraude, todos os idosos receberam uma nova dose. Outra boa notícia é que pelo menos um profissional foi demitido por estar ludibriando não apenas o sistema de vacinação, mas também a própria esperança de uma sociedade que há mais de um ano convive com tempos sombrios e incertos.

Há casos onde não existe a má fé. Simplesmente o esgotamento físico e mental é tamanho que na hora de aplicar a vacina o profissional simplesmente não percebe o erro quando já é tarde. Nestes casos, evidente, é preciso levar em consideração todo o contexto pelo qual estamos passando nos últimos meses. Entretanto, quando existe má fé, quando uma pessoa deixa de vacinar um idoso para vender a dose da vacina ou então para uso próprio é inadmissível. Não é um erro simplesmente, mas sim um ato contra a vida do outro. É uma afronta ao direito do cidadão, um desrespeito contra pessoas que chegaram à terceira idade e merecem, sim, um tratamento diferenciado por já terem contribuído tanto para o local onde vive.

As ‘malandragens’ da vacina apenas refletem em geral o comportamento típico do cidadão brasileiro que fura fila, paga propina, chega atrasado para seus compromissos, recebe vantagens indevidas, pensa apenas no próprio interesse e dane-se o resto, não paga seus impostos, atrasas suas contas, enfim, tem um comportamento onde o tal do ‘levar vantagem em tudo’ vem em primeiro lugar e o resto…ah, o resto que se exploda!

Mas esse comportamento precisa ser combatido, afinal, nem todos agem dessa forma e precisam ser respeitados por isso, ainda mais quando se trata de um assunto tão delicado como é a questão da vacina. Felizmente, até agora em Toledo, a vacinação vem transcorrendo dentro da normalidade, com algumas reclamações aqui e acolá, porém, sem relatos conhecidos e comprovados de vacinas não aplicadas. E para quem eventualmente furar a fila, uma nova lei aprovada na Câmara Municipal prevê o pagamento de multa pesada, uma iniciativa que pode não acabar com a tentativa, porém, ao menos ajuda a fazer o malandro pensar duas vezes antes de agir de forma errada.