Cada um com suas medidas

Na última sexta-feira, o governador Carlos Massa Ratinho Junior anunciou uma série de novas medidas no enfrentamento à Covid-19 no Estado do Paraná, a principal delas a prorrogação até esta quarta-feira (10) do decreto que manteve fechadas as atividades não essenciais. A partir daí, até o dia 17, haverá outras medidas, incluindo o lockdown completo no fim de semana dos dias 13 e 14, bem como a manutenção do toque de recolher entre 20 e 5 horas. Já em Toledo o prefeito Beto Lunitti, em entrevista coletiva nesta segunda-feira, explicou as novas medidas que passaram a vigorar, com um pouco mais de flexibilidade em relação ao comércio varejista, assim como também a outras atividades que não estavam contempladas no decreto estadual.

Tanto lá (em Curitiba), quanto cá (em Toledo), a preocupação é a mesma, embora as medidas sejam levemente distintas, com um endurecimento maior do governador em relação ao prefeito. Ambos seguem sendo pautados pelos respectivos corpos técnicos, entretanto, também pelo staff político, tanto assim que a fala de Ratinho Junior começou com o anúncio de um pacote de dinheiro subsidiado para determinados setores que, na visão do Palácio Iguaçu, estão entre os mais afetados pela pandemia.

De qualquer maneira, tanto na fala do governador quanto na do prefeito fica nítido o apelo para que o paranaense tenha um pouco mais de bom senso – e juízo – para o estado poder sair dessa o mais depressa possível. O recado é muito claro: é preciso que as pessoas tenham mais empatia com o próximo e sigam as regras elementares para evitar a proliferação nessa escala impensável da Covid-19 e que tem deixado à beira do colapso não apenas as estruturas, mas principalmente as equipes médicas.

Até existir vacina para uma quantidade suficiente da população para se criar o chamado ‘efeito manada’, é preciso seguir com o uso da máscara, higienizar bem as mãos várias vezes ao dia e, o principal de tudo, evitar a aglomeração de pessoas. É justamente essa parte da fórmula que desencadeou a infecção rápida que tem se observado em Toledo e agora, mais do que nunca, é hora de cada um adotar suas próprias medidas porque, se Deus nos concedeu o livre arbítrio, certamente o fez para que fosse usado com um mínimo de respeito.