Combater sempre

A Organização Mundial da Saúde (OMS) considera como doença a dependência em drogas lícitas ou ilícitas. O problema é uma questão de saúde pública de ordem mundial. O consumo envolve o setor econômico, além de aspectos sociais e culturais.

O uso indevido de substâncias como álcool, crack, cocaína, entre outras drogas atinge homens e mulheres de diversas idades. O problema pode iniciar na juventude, na ‘fase de experimentar’ o novo, seguir durante a fase adulta e fazer com que a vida saudável seja mais curta. Cada caso é um caso. Cada um tem suas justificativas para iniciar, permanecer ou largar.

Na data de 20 de fevereiro é celebrado o Dia Nacional de Combate às Drogas e ao Alcoolismo. Uma data que está mais para a batalha em abandonar o vício. Um momento para enfatizar a importância das políticas públicas que visam reverter esse quadro, pelo menos em relação ao atendimento de quem quer se libertar.

A pandemia também trouxe reflexos nesse contexto. O uso de bebidas alcoólicas e outras drogas tomou outras proporções. O descontrole e o consumo abusivo tendem sempre a agravar mais as relações sociais e gerar mais problemas.

Combater sempre é melhor que remediar. E remediar nos casos de vício é outro tipo de batalha. Tudo pode ser feito, cedido, entregue, mas nada adianta se não partir do usuário. Somente a pessoa pode fazer a escolha de deixar o vício. Nesses casos não importa qual instituição da rede de saúde, seja ela pública ou privada, irá prestar o atendimento, pois, a parte mais interessada é que precisa se ajudar.

As ações e campanhas alusivas ao tratamento da dependência de álcool e outras drogas devem ser realizadas todos os dias. Essas iniciativas tendem a proporcionar levar mais informação à população referentes aos serviços de apoio e atendimentos existentes aos dependentes de substâncias psicoativas.

Esses serviços precisam estar de ‘portas abertas’ para que as pessoas possam ter o acesso facilitado. Uma vez que ao tomar a decisão – isso de maneira convicta – para se libertar do vício é importante que isso aconteça, os atendimentos aconteçam e que a mudança venha a se tonar uma realidade.