Comunicado

“A Secretaria de Saúde de Toledo comunica que não há mais capacidade de atender a demanda de novos pacientes graves no Pronto Atendimento Municipal Doutor Jorge Nunes (PAM/Mini Hospital). Neste momento, 23 pacientes encontram-se intubados no local e sem previsão de transferência para unidade de terapia intensiva (UTI).

Em virtude da situação, a Secretaria de Saúde de Toledo convocou uma reunião virtual para expor a gravidade da situação a todas as autoridades de saúde da 20ª Regional de Saúde, bem como o SAMU, prefeitos e secretários da região, representantes dos hospitais e demais entidades.

A Secretaria de Saúde reafirmou que todos os esforços estão sendo feitos, desde o início da pandemia, para ampliar o atendimento, porém neste momento não há mais capacidade absorver pacientes por falta de estrutura física, equipamentos, insumos e recursos humanos.

No início da pandemia – março de 2020 – o PAM estava preparado para ter até 4 pacientes intubados. Em março deste ano, após investimentos, o PAM aumentou a capacidade para atender até 18 pacientes intubados. Agora, são 23 pacientes aguardando transferência para unidade de terapia intensiva. Só na macrorregião são 181 pacientes que estão na fila esperando vaga de UTI.

Mesmo com a situação grave, os pacientes com sintomas gripais devem procurar o atendimento ambulatorial no PAM e na unidade para atendimento de pacientes sintomáticos instalada na UBS Cosmos.

O momento é crítico e pedimos à população que só saia em situações de extrema necessidade. Usem a máscara corretamente, mantenham o distanciamento e façam a higienização das mãos frequentemente”.

Este é, na íntegra, o comunicado emitido pela Prefeitura de Toledo oficializando o colapso no setor de saúde. Este é o comunicado atestando que o slogan da ‘Liberdade com Responsabilidade’, na prática, mostrou-se um erro sequencial desde o início, afinal, compete ao gestor público tomar as decisões mais eficazes para combater uma pandemia como essa e, quando este não age com a responsabilidade exigida pelo cargo, o reflexo pode até demorar, entretanto, uma hora chega e cobra uma conta alta demais para quem está na ponta da corda, no caso a sociedade em geral.

Não há muito mais a comentar diante de um comunicado atestando a incapacidade de quem comanda a saúde em Toledo em gerenciá-la da forma correta. Não há muito mais a ser feito a não ser esperar na fila, uma fila que cresce a cada novo dia diante da inércia no comando.