Consciência. Apenas isso

Diante do novo – e nada animador – cenário da pandemia do novo coronavírus no Estado do Paraná, o governador Carlos Massa Ratinho Junior assinou esta semana o Decreto 6.284/2020, estabelecendo limitação de horário para circulação de pessoas no período noturno, o chamado “toque de recolher”. O prazo de vigência é de 15 dias, prorrogáveis ou não. De acordo com o texto, a proibição valerá durante o fim da noite e a madrugada, das 23 horas às 5 horas. Apenas serviços essenciais, como saúde e segurança pública, ficam liberados da restrição.

É mais uma tentativa, desesperada até, de tentar frear o avanço da doença que não tem dado trégua desde março, quando chegou ao Paraná e, de lá para cá, vem assombrando todos os dirigentes públicos. Parte da culpa é dos próprios, que quando precisaram não tomaram as medidas necessárias, porém, a maior parcela ainda recai sobre os colos da população em geral que parece não estar nem aí para os efeitos de uma doença que não é uma simples gripe.

Ao menos em Toledo é fácil perceber a falta de responsabilidade diante dos bares e lanchonetes lotados ou então nas aglomerações em residências, parques e praças da cidade. Não adianta decretos ou qualquer outro tipo de documento se não houver a conscientização por parte da esmagadora maioria da população. É simples assim e da nada vai adiantar o decreto do governador porque ele não elimina o problema mais sério que é a movimentação de pessoas ao longo da maior parte do tempo ou então as aglomerações. É um paliativo diante da urgência com a qual deveria ser tratada esta nova onda da Covid-19, embora a primeira sequer tenha sido extinta.

A pressão sobre os governantes aumenta porque, pela proximidade do fim de ano, fechar o comércio ou tomar outras ações neste sentido seria provocar uma série de protestos que poderia piorar ainda mais algo que já está ruim. Onde isso já aconteceu a onda de protestos atingiu em cheio as cidades e os empresários, como aconteceu em Umuarama, no Noroeste.

O problema é que, como vários outros assuntos no Brasil, algo que deveria ser tratado sob a ótica técnica virou um campo de batalha ideológico e político, com tanta desinformação, mas tanta desinformação, que quem pensa diferente é logo acusado de ser inimigo do Estado. Bastaria consciência. Apenas isso.