Escolha da vacina

Nos últimos dias uma nova onda de discussão em torno da Covid-19 tem ganho cada vez mais força no Brasil. Mas d Norte a Sul não se aborda mais apenas o índice de óbitos, a taxa de ocupação dos leitos hospitalares, as novas variantes, o número de contaminados ou a quantidade de vacinas. Não, a nova ‘moda’ agora é escolher a vacina a ser tomada, em mais um escárnio do cidadão brasileiro diante de uma doença que diariamente ensina da maneira mais dura. Uma doença que não perdoa o menor sinal de fraqueza e que já levou milhares de vidas, algumas das quais que não se vacinaram por não acreditarem na eficácia ou então por acreditarem em discursos idiotas sobre as medidas preventivas.

A moda agora é esperar por determinada vacina porque ela é aceita nos Estados Unidos; ah, prefere-se outra porque é apenas dose única; pula-se a faixa etária porque a esposa só ia vacinar agora; não vai no tempo certo porque esqueceu. Essas e outras pérolas são ouvidas diariamente por quem trabalha incansavelmente para tentar agilizar um serviço que poderia ser ainda melhor não fosse o descaso e a ignorância do cidadão comum em torno de um assunto tão delicado e tão perigoso como é a Covid.

Quem procede dessa forma ou então deixa de ir tomar a segunda dose deverão ser punido de uma forma exemplar. Exagero? Essas e outras atitudes irresponsáveis prejudicam toda estrutura de atendimento, pois doses acabam ‘sobrando’ para algumas faixas etárias e ‘faltando’ para outras. Uma irresponsabilidade sem tamanho, até porque a melhor vacina é aquela aplicada no braço de quem a recebe e ajuda a, sim, salvar vidas. Tantas pessoas aguardando ansiosas para chegar logo sua faixa etária e outras desprezando não apenas o sistema de saúde, mas toda uma sociedade que se organizou para tentar tirar um atraso criado pela teimosia e pela demagogia. Não é necessário acrescentar mais este ingrediente para provocar um caos desnecessário a esta altura. Agora é preciso focar na vacinação do restante da população o quanto antes e quem não quiser que arque com as consequências.