Luto, um momento de dor e reflexão

Embora alguns tentem distorcer uma realidade, atacando a imprensa como fosse esta a grande culpada pela atual situação da Covid-19, fato é que a dor das famílias que perderam algum parente ou amigo não tem como ignorar. É possível discordar da posição quanto ao tratamento antecipado ou precoce; também é possível não haver consenso quanto ao uso de máscara ou de outras medidas preventivas contra a doença; também é permitido acreditar ou não na eficácia da vacina.

O que não se pode é apagar da memória os momentos de dor, de fraqueza e de angústia vividos por milhares de famílias no Brasil desde o início desta praga que se espalhou pelo mundo fazendo muitas pessoas refletirem sobre a própria vida e a forma como a aproveitam. Não se pode simplesmente esquecer ou ignorar o fato que muitas destas vidas poderiam ter sido salvas caso houvessem algumas das ações descritas acima sido levadas mais a sério.

Ciente de seu papel na sociedade, o JORNAL DO OESTE vem, desde a semana passada, abordando de uma forma mais dura a questão da Covid-19 com o objetivo de alertar as pessoas que o pior ainda não passou e, portanto, é necessário manter os cuidados higiênicos, vacinar-se e acreditar em dias melhores, pois talvez seja apenas o sentimento de esperança que move famílias inteiras após perdas irreparáveis.

Até a última segunda-feira (14), por exemplo, o boletim epidemiológico apontava a morte de 346 pessoas por Covid-19 em Toledo desde março do ano passado, quando oficialmente teve início a pandemia na cidade. Morte, óbito, falecimento, nenhum dos termos é fácil de pronunciar, de ler, de noticiar, muito menos de viver dentro do seio familiar. O luto também não é fácil explicar, não é fácil conviver, não é fácil superar.

Mas o luto também pode ser um momento de reflexão e por isso abordamos o tema de uma forma direta, de frente e sem rodeios, até porque quase todos em Toledo conhecem alguém que perdeu um parente ou amigo. Ao invés dos ataques gratuitos e raivosos é preciso humildade e serenidade para reconhecer ser este um momento delicado em relação à pandemia e que todos os esforços precisam ser direcionados em nome de um bem maior que é o da vida.