Na corda bamba

Na semana que passou, a maioria das escolas particulares de Toledo retornou com as aulas e, embora o sistema híbrido esteja sendo oferecido, ou seja, existe a opção de aula presencial ou online, a esmagadora maioria de famílias optou pela primeira opção. A partir da próxima semana, quando as aulas retornarão nas escolas municipais é que será possível avaliar de maneira mais real como será o comportamento nos ambientes escolares, até porque ainda é menor o movimento nas ruas por causa deste retorno gradativo.

E caminham na corda bamba todos os agentes envolvidos na educação. Direções, pais, professores e até mesmo uma parcela dos estudantes estão pagando pra ver. Fato é que a maioria não aguenta mais ficar em casa, especialmente as crianças. A necessidade de socialização fala mais alto neste momento em que as coisas parecem caminhar para uma atenuação dos casos de Covid-19, embora seja necessário manter a mais alta taxa de atenção para evitar novos colapsos.

A vida das famílias mudou radicalmente nos últimos meses e nem todas têm condições de manter as crianças em casa, seja pela própria essência ativa dos menores, seja pela questão financeira que, sim, tem pesado muito em algumas decisões tomadas nesta época. Não há como evitar.

Os cuidados estão sendo tomados, as medidas necessárias idem, entretanto, a manutenção ou não das aulas presenciais dependerá muito mais do comportamento das pessoas que dos papéis que as orientam.

As medidas são mais que conhecidas a esta altura do jogo, porém, há quem insista em não seguir as regras e não será o retorno ou não das aulas que mudará este comportamento. O necessário será intensificar a fiscalização dentro e fora dos estabelecimentos de ensino, até porque a aula de cidadania não deve acontecer apenas quando se está num ambiente escolar. É função de todos exercerem e aprenderem qual seu verdadeiro papel numa sociedade um pouco mais evoluída, algo que os brasileiros ainda não aprenderam e têm pago um preço alto, inclusive com a própria vida quando se trata de uma pandemia que aflige o mundo e faz todos caminharem na corda bamba.