O assunto do momento

Na ‘Pátria de Chuteiras’, no ‘País do Futebol’, eis que a Covid-19 deixou – apenas por alguns dias – de ser o assunto do momento, afinal, o presidente da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), Rogério Caboclo, foi afastado, suspeito de assédio sexual contra uma funcionária da entidade. Suspeito porque ainda não houve julgamento, entretanto, as gravações exibidas no domingo praticamente sepultam qualquer chance de defesa, embora no ‘País Tropical’ sempre é possível que milagres aconteçam no campo jurídico, ainda mais quando envolve as paixões – e os milhões – do futebol.

Um presidente da CBF afastado não é novidade. E é justamente aí que está o gravíssimo problema que não afeta apenas o mundo das quatro linhas, afinal, corrupção, assédio (moral, sexual), violência e abuso de poder não se restringem ao campo do esporte bretão, assim como também não apenas dirigentes da CBF que tem um histórico vergonhoso nos últimos tempos. Ricardo Teixeira, José Maria Marin e Marco Polo Del Nero, apenas para ficar nos mais recentes, ou foram presos ou estão sendo investigados e foram banidos do futebol pela FIFA que, convenhamos, também não é um dos mais ilibados exemplos a serem seguidos.

O grande problema não está em afastar Caboclo, mas sim a manutenção de uma cultura atrasada que se repete em outras confederações esportivas, pois estas são o reflexo da forma como é o Brasil de verdade. Uma potência mal administrada, explorada em todos os sentidos, onde mais vale o interesse do bolso particular ao coletivo e por aí afora. Caboclo sairá e hoje, quando a seleção enfrenta o Paraguai pelas eliminatórias da Copa do Mundo, alguns outros pontos de mais essa história vexatória do nosso futebol será escrita quando jogadores e comissão técnica prometem abrir o jogo.

Caboclo sairá e outro entrará em seu lugar mantendo ao seu lado um staff corrompido, pois muitos que aí estão são coniventes com situações que se arrastam há décadas dentro e fora da CBF. Não basta afastar um presidente, é preciso mudar a atitude, a forma de pensar e agir porque enquanto o Brasil seguir sendo administrado por quadrilhas escândalos como esse não serão novidade.