O pão da vida

Ele vive. Para quem é cristão, Ele vive e está entre nós. Para quem acredita, Ele vive em nós, no coração de cada um que se deixa fazer morada para Cristo, em cada ato de solidariedade, de compaixão, de amor a Deus e ao próximo. Pelo segundo ano consecutivo, os fiéis vivem as celebrações de Corpus Christi de maneira diferente, mas com a certeza de que Cristo vive.

É através da Eucaristia que Jesus Cristo se faz presente. Ele é o alimento que dá força para os cristãos continuarem. Para os cristãos, sentir a presença de Deus é uma necessidade constante. Em tempos de pandemia, a fé tem sido testada, afinal, todos precisaram se readequar para atender as restrições e os distanciamentos.

O Antigo Testamento cita que, durante o período que os peregrinos estavam no deserto, eles eram alimentados com maná. O alimento, hoje, é o próprio Corpo de Cristo. Uma das hóstias consagradas durante a celebração permanece no meio da comunidade, como sinal da presença de Jesus Cristo vivo no coração de cada um.

Relatos históricos apontam que Corpus Christi acontece em uma quinta-feira, em alusão à Quinta-feira Santa, quando aconteceu a instituição desse sacramento. O ato ocorreu durante a última ceia, quando Jesus esteve reunido com seus apóstolos. Com a partilha do pão e do vinho, transformadas no corpo e sangue de Cristo, os discípulos poderiam celebrar a lembrança de Cristo.

Segundo o livro de João (6, 55 – 59), “O que come a minha carne e bebe o meu sangue, tem a vida eterna e, eu o ressuscitarei no último dia. Porque a minha carne é verdadeiramente comida e o meu sangue é verdadeiramente bebida. O que come a minha carne e bebe o meu sangue permanece em mim e eu nele. O que come deste pão viverá eternamente”. Dessa forma, Cristo se faz presente.

Seja de forma presencial, pela televisão, pelo rádio, ou pelas plataformas digitais, participar da celebração é uma necessidade do cristão. A missa de Corpus Christi envolve todo o ato litúrgico, procissão e adoração ao Santíssimo Sacramento. A procissão é uma forma de recordar a caminhada do povo de Deus em busca da terra prometida. Mas, não vai ter a tradicional procissão. Contudo, isso não muda o fato Dele estar vivo. Cristo permanece vivo mesmo sem que os fiéis possam adorar o Santíssimo Sacramento nas igrejas ou na procissão. Ele permanece vivo e se faz presente em cada um que opta por acolhe-lo.