Os 21 anos da Ouro e Prata

Na semana passada a Associação Cultural e Esportiva Ouro e Prata comemorou 21 anos que, para uma entidade, é tempo mais que suficiente para consolidar objetivos ou então ter bases igualmente sólidas a fim de pensar no futuro. No caso da Ouro e Prata passado e futuro se misturam num presente sem precedentes talvez, afinal, foi pensando em preservar o passado que o eterno presidente Niulton Pegoraro mudou o presente e vem construindo um futuro diferente para quem talvez já tivesse até mesmo perdido a esperança na vida que lhe restava.

Para quem não conhece, a Ouro e Prata é uma entidade criada como vários grupos de amigos que se juntam em Toledo nas centenas de campos para jogar futebol sábado à tarde, tomar cerveja e comer carne depois. Mas nem todos os ‘times’ contam com um capitão do calibre de Niulton Pegoraro. Gringo e, como tal, com personalidade forte acima da média, ele resolveu que era preciso fazer mais. Deixou sua zona de conforto e passou a sonhar com a Ouro e Prata, criada para valorizar atletas – sejam eles profissionais, amadores ou apenas dos fins de semana – e suas histórias.

O sonho foi se materializando pouco a pouco, passo a passo. Para isso, Pegoraro foi o mais democrático – e autoritário – possível, reunindo pessoas das mais diferentes classes sociais, credos, ideologias políticas, times do coração, enfim, uma diversidade pouco vista em instituições dessa natureza, atraindo ainda o apoio das gestões municipais uma após a outra, afinal, como ir contra uma iniciativa que preserva a memória, leva o nome de Toledo a todos os cantos do mundo – literalmente, com duas excursões pela Europa – viaja o país inteiro e recebe visitantes de vários estados apenas pelo prazer de reunir pessoas diferentes, jogar bola, comer, cantar e contar histórias – muitas, por sinal.

Os 21 anos da Ouro e Prata mostram que a construção da sede própria na Vila Industrial, assim como da Galeria Cultural e Esportiva, não é fruto do acaso, mas um trabalho árduo, capitaneado por Niulton Pegoraro, mas com apoio de muitas pessoas, algumas, claro, descontentes com a forma de trabalhar do líder, entretanto, um empreendedor nato que com sua forma turrona de ser conseguiu o que muitos sonharam e que não passaram disso pelo medo de tentar. Pegoraro tentou e segue tentando, errando e acertando. E mudando a história de vida de tantas pessoas que hoje celebram os 21 anos da Ouro e Prata como fosse a entidade uma filha mais nova, ou melhor, a netinha querida por todos.