Os desafios dos números

Quando assumiu a Prefeitura de Toledo pela primeira vez, entre 2012/2016, Luís Adalberto Beto Lunitti Pagnussatt (MDB) recebeu uma boa herança do então prefeito José Carlos Schiavinato. As contas públicas em dia, a dívida controlada, um bom dinheiro em caixa da Agência Francesa de Desenvolvimento e ainda o limite prudencial da folha de pagamento dentro do preconizado pela Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF). Agora, passados quatro anos, Lunitti se encontra basicamente na mesma situação, isso após ter entregue a gestão com o limite da folha em 53,49% – acima do preconizado pela LRF, entre outros problemas que deixaram Toledo dois anos praticamente engessada em termos de administração pública justamente pelos desmandos cometidos.

Não se trata aqui de fazer uma crítica ao prefeito eleito, mas sim é um alerta para que os erros não se repitam, afinal, ele receberá a Prefeitura de Toledo novamente em ordem, com as contas em dia e o limite da folha de pagamento em torno de 49% – os números finais ainda não foram disponibilizados. Lucio de Marchi sofreu durante dois anos até colocar a casa em ordem e foram medidas adotadas muito duras, mas que se mostraram acertadas ao longo de sua gestão.

Os desafios dos números serão ainda maiores para a próxima gestão à medida que a pandemia do novo coronavírus se mantiver, afinal, enquanto esse problema mundial não for resolvido, certamente os impactos sobre a economia serão sentidos cedo ou tarde e, embora a cidade tenha a maior fatia de sua economia pautada no agronegócio, ainda assim os reflexos em outros setores começam a dar sinais de desgaste.

Caso o futuro prefeito não esteja atento, do dia para a noite o descontrole das contas públicas pode voltar a atormentar a gestão. Lembrando que em março haverá o reajuste salarial dos servidores públicos municipais, categoria que na gestão passada ficou com as progressões congeladas, pagas somente na gestão Lucio de Marchi. São detalhes de gestão que precisam ser levados em conta desde a largada, até porque no passado o descontrole provocou estragos imensos dentro do Centro Cívico Tancredo Neves, algo que se espera não se repetir nos próximos quatro anos.