Prazo exíguo

Muitas vezes, em meio à pandemia do novo coronavírus que há praticamente um ano perturba a vida de bilhões de pessoas mundo afora, muitas vezes nos esquecemos que existe vida fora deste novo universo ao qual ainda nem todos estão acostumados. É preciso, de vez em quando, surgirem fatos novos para ligar o sinal de alerta na sociedade sobre outros assuntos, como é o caso dos agricultores paranaenses que estão com a corda no pescoço em termos de prazos para o plantio do milho safrinha, caso se queira manter a securitização nas lavouras.

Com o período do zoneamento para a semeadura do milho safrinha apertado, no campo há uma corrida contra o tempo para colher a soja e planta imediatamente o milho safrinha. O presidente do Sindicato Rural de Toledo Nelson Paludo lembra que o período do zoneamento no município encerra no próxima dia dez.

A seca intensa do ano passado e as chuvas incessantes do início deste 2021 mostram o quanto a atividade segue sendo refém das vontades do tempo. Um setor tão importante para a economia nacional está pressionado uma vez mais e será preciso que as autoridades tenham o bom senso de prorrogar o prazo solicitado pelos produtores, caso contrário o Estado do Paraná poderá sofrer ainda mais com a falta do produto, praticamente todo consumido internamente graças aos plantéis de aves, suínos e bovinos.

Prova da falta desse material é que a toledana Primato Cooperativa Agroindustrial adquiriu há alguns dias uma unidade no vizinho Mato Grosso do Sul justamente para tentar aumentar a captação de grãos, produtos imprescindível no processo de expansão das cooperativas estaduais, como é o caso da Frimesa que prepara uma nova planta industrial em Assis Chateaubriand até 2023 e que certamente demandará mais produção de grãos em função do aumento da criação de animais.

No campo e na cidade existe hoje uma verdadeira corrida contra o tempo que, embora sejam por motivos distintos, ambas dependem da boa vontade, da disposição das autoridades no que diz respeito a prazos, a flexibilização de regras e, o mais importante, na adoção de medidas eficazes em benefício da população.