Respeito às regras

A decisão – ainda que em primeira instância – da Justiça Eleitoral no caso do desrespeito à cota de gêneros na eleição para vereador em Ouro Verde do Oeste poderá lançar luz a um dos mais complicados problemas a serem resolvidos na sempre bagunçada eleição tupiniquim, afinal, se existe a regra é para ser cumprida. Ainda cabe recurso e, por enquanto, os vereadores seguem a vida de maneira normal, até porque a Câmara Municipal ainda não foi oficialmente notificada e nada pode ser feito.

O caso, explicado em pormenores na edição de hoje, demonstra pela primeira vez o quão longe chega o desrespeito às leias por parte da classe política em sua ânsia pelo poder. No caso de Ouro Verde do Oeste, duas candidatas tiveram suas respectivas candidaturas homologadas, embora não tenham feito campanha, muito menos votos! A decisão da Justiça pode jogar uma luz sobre o que pode ser feito, embora não vá resolver um problema crônico e que sequer precisar existir houvesse um pouco mais de maturidade política na sociedade nacional.

O atraso é tão crônico que somente através de uma cota é garantida uma participação mínima de mulheres na disputa, como fosse este o principal problema da política brasileira. Essa regra é atrasada, embora necessária, é preciso reconhecer, diante do machismo ainda imperativo na esmagadora maioria dos partidos políticos brasileiros. Novidade alguma diante da cultura atrasada e preconceituosa ainda imperante no país. E aí em todos os sentidos!

Pode até ser que os vereadores não percam os respectivos mandatos, até porque em se tratando de Justiça no Brasil sempre é possível acontecer o inesperado. Pode até ser que estas pretensas candidatas apareçam em alguma lista numa eleição próxima, assim como tantas outras em tantos outros municípios. Pode até ser que muitos estejam rindo por entenderem ser esta uma regra esdrúxula.

Sim, tudo isso é possível, porém, o fato mais importante é existirem ainda pessoas dispostas a fazerem valer aquilo que é de direito, buscando devolver à sociedade um pouco do equilíbrio necessário para o amadurecimento da democracia ainda tão mal vista em terras nacionais.