Transparência é a palavra de ordem

Há algum tempo o brasileiro vem se acostumando com o termo sobre a necessidade de transparência nas administrações públicas. Se até pouco tempo era possível esconder informações da sociedade, hoje isso é praticamente impossível diante das inúmeras ferramentas de controle, sejam elas dos poderes constituídos ou então de entidades que esmiúçam as gestões públicas de olho em eventuais irregularidades. Graças a esses novos mecanismos é que tanta podridão veio à tona no Brasil e, embora ainda se esteja longe do ideal, é inegável o avanço no controle dos gastos públicos e no acompanhamento das gestões.

E Toledo, neste sentido, tem se destacado bem. O município alcançou a nota 6,64 no Mapa Brasil Transparente 2021, divulgado pela Controladoria Geral da União (CGU) e ficou no 324º no Ranking Geral. O Paraná atingiu a pontuação 9,96, acima da média nacional, que é de 8,8 em comparação aos demais estados brasileiros. A pontuação máxima é 10. O resultado está alinhado a um dos pilares do GDF, que é a transparência.

Entre os itens avaliados está se o Município possui site oficial na internet, assim como se divulga informações orçamentárias e financeiras consolidadas em um portal de transparência. Outro dado avaliado pela pesquisa e que Toledo pontuou é a disponibilidade de informações sobre despesas, assim como empenhos e pagamentos no Portal da Transparência. Há ainda outros aspectos considerados que deixaram Toledo numa posição de destaque, mas que poderia ser melhor se alguns outros dados fossem mais claros.

Por exemplo, o levantamento da CGU não conseguiu localizar um espaço para consulta sobre o acompanhamento de obras públicas em Toledo. Também não foi localizado no Portal do Município, as bases de dados abertos (catálago/inventário de dados abertos). Para a elaboração do Mapa, o estudo não localizou o relatório estatístico contendo a quantidade de pedidos de acesso à informação recebidos, atendidos ou indeferidos.

Apesar dos avanços já conquistados, como se vê, há ainda muito a ser feito para que as gestões públicas brasileiras atinjam um novo patamar, mais adequado com aquilo que se espera de quem ocupa cargos eletivos. Transparência é a palavra de ordem e que assim seja para que o país possa seguir se desenvolvendo a fim de se tornar um espaço mais justo e equilibrado para todos os cidadãos.