Um triste aniversário

Mais um aniversário que não aconteceu; outro passeio que foi interrompido; o abraço que ninguém sabia que seria o último. Nesta segunda-feira (3), o menino Henry Borel completaria 5 anos de vida. Completaria porque sua vida foi interrompida de maneira brutal. O padrasto do menino, o médico e vereador Dr. Jairinho, e a mãe, Monique Medeiros, presos preventivamente, são acusados de matar a criança.

No dia da morte, a criança estava no apartamento onde Monique Medeiros morava com Jairinho. Segundo o casal, Henry foi encontrado desacordado em seu quarto após um acidente doméstico. De acordo com o laudo de reprodução simulada produzido pela perícia da Polícia Civil, o menino sofreu 23 lesões externas provocadas por ações violentas no dia de sua morte.

O caso bárbaro desencadeou uma intensa campanha contra a violência infantil. Magistrados reforçam a importância das crianças serem ouvidas e que isso merece ainda mais atenção em tempos de pandemia. E Toledo não ficou fora deste clamor. O juiz Rodrigo Rodrigues Dias, em entrevista ao JORNAL DO OESTE, comentou sobre a necessidade de ampliar a proteção aos menores, pois os efeitos da violência contra crianças principalmente trazem um reflexo muito grande à sociedade, com muitos prejuízos nem sempre visíveis em longo prazo.

O juiz toledano acrescenta que, geralmente, os casos mais graves – inclusive, esses que ganham reconhecimento nacional – não acontecem ‘do dia para a noite’, mas sim com a prática de pequenas violações e que acabam em situações extremas. Ele recordou o caso do menino de 11 anos encontrado dentro de um barril em Campinas e alertou sobre todos os danos que essa crianças já sofreu por ter vivido em todo esse contexto de violência.

Daí a importância em prestar atenção aos sinais dados pelos menores e, em caso de dúvida, denunciar eventuais abusos, pois somente com o envolvimento da sociedade será possível ter uma sociedade mais equilibrada também sob a ótica dos mais novos, pois estes representam o futuro e, para que este futuro seja melhor, reduzir ao máximo a violência – em suas mais distintas formas – é uma obrigação para que, em dias de aniversário, as lágrimas sejam apenas de alegria.