Uma nova vocação

Quem ainda não acredita no potencial que o Biopark poderá trazer a Toledo é melhor começar a repensar sua posição, afinal, a cada novo dia o projeto segue dando mostras do quão longínquo pode ser seu potencial, tamanha a diversidade de ideias surgidas a partir dali. E isso sendo dados apenas os primeiros passos de algo realmente grandioso para a cidade e a própria região. O mais novo embrião surgido do Biopark é a produção de queijos finos. A ideia é, dentro de um futuro não muito distante, incluir Toledo no roteiro dos grandes centros gastronômicos quando o assunto é queijo fino, um mercado ainda pouco explorado no Brasil.

Tecnologia, conhecimento, matéria-prima abundante, mão-de-obra especializada e, claro, a busca pelo consumidor. Todos estes pontos estão sendo pensados meticulosamente por uma equipe de técnicos capazes de efetivamente fazer de Toledo uma referência neste setor amplamente dominado pelos europeus. Na edição desta quarta-feira o JORNAL DO OESTE traz um pedaço dessa história que, como já dito, ainda engatinha, mas que demonstra já no início uma vontade tremenda de dar certo, de se expandir e ganhar horizontes inimagináveis por enquanto.

Além da produção pura e simples, a ideia é fazer com que as propriedades onde se produz o queijo se transformem em espaços para o turismo rural, criando uma espécie de ‘circuito do queijo fino’, o que poderá gerar mais emprego e renda. Não apenas ao pequeno produtor rural. Claro que não será do dia para a noite que esse projeto ousado irá se concretizar, entretanto, ele segue sendo traçado com extrema responsabilidade e, acima de tudo, com orientação técnica primorosa. Prova disso é a qualidade dos produtos obtidos até o momento e que colocam os queijos toledanos numa média muito acima daquela do comum.

É uma nova vocação que pode estar surgindo num município que ao longo dos anos foi aprendendo a se reinventar para não ficar dependente apenas de um produto ou de uma empresa. Essa diversidade é que faz de Toledo o município líder no Valor Bruto da Produção Agropecuária há algum tempo, posição que dificilmente será perdida se mais projetos como este dos queijos seguirem surgindo.