Uma vacina até que enfim!

O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), anunciou nesta quinta-feira (7) que a vacina Coronavac, desenvolvida pelo Instituto Butantan em parceria com a farmacêutica Sinovac, tem eficácia de 78% a 100% contra a Covid-19. Este foi o primeiro grande avanço para que o Brasil finalmente possa começar a vacinar sua população, algo que parecia tão distante diante de tantos desmandos e tantas vaidades políticas permeando um campo tão técnico e que custa vidas.

O governador paulista disse ainda que o instituto deu entrada junto à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) ao pedido para uso emergencial do imunizante. De acordo com Doria, está mantida a previsão de iniciar a vacinação no Estado no dia 25 de janeiro. Ao todo, existem 10,8 milhões de doses da vacina em solo brasileiro. Segundo o Plano Estadual de Imunização de São Paulo, seriam necessárias 9 milhões de doses para garantir a primeira dose da etapa inicial da fase de imunização.

O mais importante, entretanto, é que o acordo entre o governo paulista e a empresa chinesa está a transferência de tecnologia, ou seja, em breve o país terá condições de produzir sua própria vacina, o que certamente deverá acelerar este processo de imunização que, na opinião de alguns especialistas, deverá levar pelo menos mais seis meses. Isso se tudo correr bem.

De qualquer maneira, em meio ao pandemônio criado pelos números aumentando constantemente – como acontece em Toledo – a notícia dessa taxa de eficácia soa como um alento. Há que se ressaltar, entretanto, que a vacina não é a salvação de tudo. Por isso manter o rigor em relação às medidas sanitárias será fundamental neste processo lento de recuperação para que a sociedade possa voltar, quem sabe até o fim de 2021, a ter uma vida menos espartana. Em se tratando de uma doença tão letal, não é possível relaxar um segundo sequer, por isso é preciso manter o nível de atenção e confiar que os dados apresentados nesta quinta-feira possam representar o início dessa recuperação gradual que tanto se aguarda