Maldita tempestade! Como?

A festa de casamento ao ar livre estava preparada. Os detalhes, como as flores, as mesas e os arranjos, foram pensados para que tudo estivesse perfeito. O risco de que o clima não colaborasse existia, mas eles haviam escolhido o período do ano em que as chuvas eram uma raridade. Como previsto, amanheceu ensolarado e nada indicava que algo mudaria durante o dia. Todos estavam presentes para a solenidade. O noivo e a noiva estavam nervosos e os convidados contentes. O escrivão começou em meio ao som de uma música romântica tocada por uma orquestra. Algumas poucas nuvens cobriam o sol, mas nada para se preocupar. Vídeos e fotos foram exibidos resgatando a história de amor que eles assumiam com o casamento. A felicidade estava presente, assim como uma brisa que soprava mais forte. A cerimônia se encaminha para o final. A brisa se transforma em vento. O celebrante começa a leitura da parte em que pede o “sim” dos noivos. As nuvens que antes eram poucas cobrem o sol por completo. O vento aumenta ainda mais a sua intensidade fazendo com que os convidados se sintam desconfortáveis. A chuva começa. O vento vira ventania. As mesas, as cadeiras, os arranjos e as flores voam para todos os lados. Pode-se ver um músico correndo atrás das partituras, enquanto as pessoas buscam abrigo. Os noivos se desesperam e correm para se proteger. Molhados, desarrumados e, visivelmente, irritados se protegem embaixo de uma cobertura de onde podem ver a tempestade destruir o sonho da festa perfeita. “De onde surgiu essa tempestade?” O noivo ainda não conseguia entender. Com raiva grita:

– Maldita tempestade!

Uma torrente de emoções negativas havia invadido o peito angustiado do noivo que continuava a esbravejar contra a tempestade. E a tempestade, qual era a sua preocupação? Quais eram as suas emoções? Não havia nem preocupação nem emoção, porque a tempestade é o que é, assim como a realidade do mundo que não entendemos e não controlamos. A tempestade ou o clima não tem intenção. O mundo não tem desejo. Em momentos assim, muitas vezes, surgem emoções negativas que alimentamos por pensamentos ainda mais negativos que geram sentimentos ruins. A pessoa perde o foco pretendendo atuar sobre aquilo que não está em seu controle. O diretor pensa que o problema está na equipe. O subordinado acredita que o problema é o chefe. O marido crê que o problema é a esposa e vice-versa. E muitos concluem que o mundo é um problema. Entendo que haja problemas no mundo, mas o mundo não é o problema. Ele simplesmente é. Se há emoções e sentimentos negativos eles não estão com a tempestade, com o clima, com a realidade ou com o mundo. Eles estão com você! Cabe a cada um desenvolver inteligência emocional para usar o seu autoconhecimento e autocontrole para exercer a liberdade de ação e resolver aquilo que está no seu controle.

Enfim, para os noivos, o que estaria em seu controle fazer? Maldizer a chuva, o vento, a tempestade ou a realidade? Não. Os sentimentos negativos são seus e não da realidade ou da tempestade. O que fazer? Os noivos podem chacoalhar as gotas de chuva, escolher os sentimentos e concluir aquilo que começaram. Podem até cortar o bolo e ser felizes para sempre. Isso está no seu controle!

Moacir Rauber

Blog: www.facetas.com.br

E-mail: [email protected]

Home: www.olhemaisumavez.com.br

Inspirado: Anthony de Mello, S. J.