Mauro Picini Moda & Estilo 09/03/2021

Construção civil tem previsões positivas para 2021 no Paraná

MRV, líder do mercado na América Latina, prevê lançar mais de 5 mil novas unidades habitacionais no estado; expectativa da empresa é de fazer pelo menos 446 novas contratações nos próximos meses

Poucos setores se adaptaram tão bem aos desafios impostos em 2020 como a construção civil. A procura pela casa própria foi impulsionada em um momento em que muitas pessoas tiveram que passar mais tempo em seus lares. De acordo com os últimos dados divulgados pela Câmara Brasileira da Indústria da Construção (Cbic), nos primeiros nove meses de 2020 as vendas de imóveis novos tiveram um aumento de 8,4% em comparação com o mesmo período do ano anterior. E a perspectiva para 2021 é de mais crescimento.

A MRV, construtora residencial líder na América Latina, projeta lançar 22 novos empreendimentos no Paraná em 2021. Ao todo, os lançamentos vão somar 5.118 unidades habitacionais em sete cidades paranaenses: Londrina, Cambé, Maringá, Curitiba, Arapongas, Araucária e São José dos Pinhais. Segundo o gestor executivo de vendas da MRV, Willians Ribeiro, além da procura maior dos paranaenses pela casa própria, o cenário de juros também favorece os consumidores. “O país atingiu a taxa de juros mais baixa da história. Como resultado disso, temos financiamentos mais baratos para quem está em busca de realizar esse sonho. De nossa parte, também temos oferecido condições especiais de pagamento e descontos para os clientes no Paraná”, afirma o executivo.

Mercado de Trabalho
O aquecimento do setor também é positivo para o mercado de trabalho. Segundo o Cadastro Nacional de Empregados e Desempregados (Caged), o setor da construção teve o segundo maior saldo de novos postos de trabalho criados em 2020, atrás apenas do agronegócio. Nos próximos meses, a MRV prevê realizar pelo menos 446 novas contratações no estado.

Em 2020, a MRV registrou nacionalmente o maior volume de vendas da história da companhia, com alta de 39,1% nas vendas líquidas em relação ao ano anterior. “O ano passado nos exigiu uma série de adaptações em tempo recorde, como o desenvolvimento da nossa plataforma de vendas digitais. Mas essa reinvenção se refletiu em bons resultados, com perspectivas ainda melhores para 2021, realizando novos investimentos e gerando empregos no setor”, comemora Willians Ribeiro.

Sobre a MRV
Ao longo de 40 anos de história transformando a vida de milhares de pessoas por meio da casa própria, a MRV, maior construtora da América Latina, se tornou uma plataforma de soluções habitacionais capaz de fornecer a opção de moradia que melhor se adapte ao momento na vida dos brasileiros, seja com a aquisição de apartamentos prontos ou na planta, pela compra de um terreno em loteamentos completamente urbanizados pela Urba, ou mesmo alugando imóveis especialmente pensados, com inúmeros serviços, pela sua startup Luggo, totalmente digital e sem burocracia.

Complexo Turístico Itaipu recebeu 5.666 visitantes no Carnaval

No feriadão de carnaval (período de 13 a 16 de fevereiro), o turismo de Itaipu recebeu 5.666 turistas de várias partes do Brasil.
A maior parte dos turistas foi proveniente do próprio Paraná, seguido de São Paulo, Santa Catarina e Rio Grande do Sul.

Também vieram visitantes do Acre, Alagoas, Amazônia, Bahia, Ceará, Distrito Federal, Espírito Santo, Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Pará, Paraíba, Pernambuco, Piauí, Rio Grande do Norte, Rio de Janeiro, Rondônia, Sergipe e Tocantins.

Também visitaram os atrativos do complexo turístico Itaipu os turistas de seguintes países: Arábia Saudita, Austrália, Bolívia, Colômbia, Eslovênia, Espanha, Estados Unidos, França, Ilhas Canárias, Japão, Paraguai, Portugal, Reino Unido e República Tcheca.

A visita panorâmica foi o passeio mais movimentado, seguida do Ecomuseu e Refúgio Biológico Bela Vista. O dia de maior visitação à Itaipu foi no domingo (14), com 1.872 turistas.

“A retomada do turismo é resultado de uma grande força-tarefa e do comprometimento de todos os segmentos da cidade para adotar controles sanitários rigorosos. O movimento nesse período é importante porque movimenta o principal setor econômico da cidade, contribuindo para manutenção de empregos”, disse o general Eduardo Garrido, diretor superintendente do Parque Tecnológico Itaipu (PTI-BR).

Primato chega ao Mato Grosso do
Sul com indústria de nutrição animal

A Primato é a nova proprietária da Pecpar Nutrição Animal, localizada na cidade de Dourados

O estado do Mato Grosso do Sul, há anos, já tem a oportunidade de receber os produtos da Primato Cooperativa Agroindustrial, porém, agora as raízes foram fincadas de vez no estado vizinho. A Primato é a nova proprietária da Pecpar Nutrição Animal, localizada em Dourados. Depois de um ano e meio de negociações, a unidade passou a funcionar sob a liderança da Primato no dia 15 de fevereiro.

A fábrica de produtos de nutrição para bovinos foi adquirida de “porteira fechada”, com uma área total de 5 hectares. Os carros-chefes da produção da marca já consolidada são a linha branca (suplementos minerais), produtos homeopáticos, farelados, núcleos e rações peletizadas (granuladas). A novidade é um novo passo em direção à expansão da Primato. “Rompemos uma barreira, já que é nossa primeira unidade fora do Paraná. Fomos fundados em Toledo, oeste paranaense, estendemos nossa atuação para o sudoeste do Paraná e, agora, chegamos em um estado altamente produtor de gado de corte e de grãos. A localização é estratégica para os nossos planos na região centro-oeste do país”, enfatiza o gerente de industrialização da Primato, Juliano Millnitz.

Além do Mato Grosso do Sul, o estado do Mato Grosso será contemplado com os produtos fabricados pela Pecpar. A nova experiência irá oportunizar também a exportação de cerca de 30% da produção para países da América do Sul. A estrutura, que já funciona desde 2013, ganhou a experiência da Primato em fabricar produtos que se adequem ao produtor. “São produtos de alta qualidade, com alto valor agregado e personalizados para o manejo do produtor, de acordo com aquilo que ele busca para os seus animais”, reforça Juliano.

Com a unidade, que agora leva a marca Primato, já em funcionamento, produzindo 4 mil toneladas/mês, serão realizadas análises da planta da fábrica, da estrutura instalada e da capacidade para que nos próximos dois anos uma série de investimentos possam ser feitos na indústria. “Ampliação da linha de produção e uma unidade de recebimento de grãos já estão em nossos planos para o futuro da Pecpar”, detalha o gerente de industrialização.

Experiência na fabricação de rações
A nova aquisição da Primato é a terceira fábrica de rações da cooperativa. Em 2008, as operações da indústria em Toledo tiveram início. Em 2017, foi o momento de expandir as atividades para o município de Verê, no sudoeste do Paraná, com mais uma unidade industrial. A linha de nutrição animal nas duas unidades mais antigas alimenta diariamente cerca de 70 mil animais em lactação, mais de seis mil animais de corte em confinamento e mais de 162 mil suínos a campo. “Esses números demonstram a representatividade e responsabilidade que a nutrição animal da cooperativa tem atualmente e que, por isso mesmo, somos cobrados para que a inovação esteja sempre presente. Assim, cada vez mais, nossos cooperados e produtores rurais poderão ter em nossa nutrição animal o respaldo de sua produtividade”, encerra Juliano.