Alegações de fraude nos EUA tentam manter lealdade da base de Trump

Trump e sua campanha levantaram acusações de fraude eleitoral em larga escala na Pensilvânia e em outros Estados que elegeram Biden, até agora sem provas. Altos funcionários, assessores de campanha e aliados de Trump disseram à Associated Press que evidências esmagadoras de fraude não são realmente o ponto. A estratégia para travar uma batalha legal contra Biden na Pensilvânia e em outros lugares serviria mais para fornecer a Trump um palanque após uma derrota que ele não consegue entender, e não para mudar o resultado da eleição. Eles falaram com a AP sob condição de anonimato para discutir a estratégia da campanha.

Os assessores e aliados de Trump também reconheceram em conversas privadas que as lutas legais iriam – na melhor das hipóteses – adiar o inevitável, e alguns tinham profundas reservas sobre as tentativas do presidente de minar a fé na votação. Mas eles disseram que Trump e um grupo central de partidários pretendem manter sua base de apoiadores ao seu lado, mesmo na derrota.

Não houve nenhuma eleição em décadas recentes em que tal fraude generalizada foi alegada. O mais próximo foi a eleição de 1960, em que o democrata John Kennedy derrotou o republicano Richard Nixon, e houve alegações de que uma suposta fraude ajudou Kennedy a vencer.

Momentos depois que a AP projetou a vitória de Biden, o advogado de Trump, Rudy Giuliani, ficou em frente a um banner de campanha colado na porta da garagem de uma empresa de paisagismo na Filadélfia, espremido entre um centro de cremação e uma livraria para adultos, com um punhado de observadores das pesquisas que declararam terem sido mantidos longe demais para verificar se havia alguma imprecisão. “Não temos como saber, porque fomos privados do direito de inspecionar as cédulas”, disse ele.

Os observadores partidários das pesquisas são designados por um partido político ou campanha para relatar quaisquer preocupações que possam ter. Eles não são funcionários que realmente fazem a contagem das cédulas. O monitoramento de locais de votação e escritórios eleitorais é permitido na maioria dos Estados, mas as regras variam e existem certos limites para evitar qualquer assédio ou intimidação. Eles não podem interferir na condução da eleição e normalmente são obrigados a se registrar com antecedência no escritório eleitoral local.

Este ano, por causa do coronavírus que matou mais de 230.000 pessoas em todo o país, houve litígios em alguns Estados, incluindo a Pensilvânia, sobre onde os observadores das pesquisas poderiam se posicionar para garantir o distanciamento social.

Os advogados podem argumentar que a contagem dos votos deve ser deixada de lado por causa da fraude observada pelos observadores das pesquisas, mas, para vencer essa discussão, eles precisariam de evidências, não apenas de alegações que os monitores não foram autorizados a ver com clareza suficiente.

Os juízes relutam em privar de direito os eleitores e seria necessário haver provas substanciais de que a fraude havia prejudicado tanto a contagem que ela deveria ser anulada.

Os observadores das pesquisas democratas, que também tiveram o mesmo acesso, não levantaram preocupações. Giuliani chamou evidências de fraude circunstanciais na coletiva de imprensa. Ele disse que entraria com um processo no tribunal federal, mas a questão já foi aos juízes.

Um juiz federal na Filadélfia na noite de quinta-feira (5) ordenou que os dois lados elaborassem um acordo sobre o número de observadores eleitorais e o quão perto eles poderiam estar da contagem. O juiz também expressou preocupação sobre a segurança dos funcionários eleitorais durante a pandemia, se os observadores das urnas pudessem olhar por cima de seus ombros.

No domingo, 8, em entrevista à Fox News, Giuliani disse que dois processos adicionais estavam sendo elaborados, além do litígio existente na Pensilvânia. Até o final desta semana, Giuliani previu que a campanha teria entrado com “quatro ou cinco” processos, com um total de dez possíveis.

A fraude eleitoral é extremamente rara e, quando acontece, geralmente as pessoas são apanhadas e processadas e isso não altera o resultado da eleição. Normalmente, envolve alguém que deseja honrar os desejos de um ente querido que morreu recentemente e, conscientemente ou não, comete um crime ao preencher essa cédula.

Os oficiais da campanha de Trump também alegaram que mais de 21.000 votos foram lançados em nome de pessoas mortas na Pensilvânia. As reivindicações resultam de um processo judicial de um grupo conservador contra a secretária de Estado, acusando-a de incluir erroneamente cerca de 21.000 residentes supostamente mortos nas listas de eleitores.

O juiz federal responsável pelo caso, John Jones, disse ter dúvidas sobre as alegações. Ele disse que a Public Interest Legal Foundation, que entrou com as ações, estava pedindo ao tribunal que aceitasse que havia pessoas mortas nos cadernos eleitorais, e ele pediu provas e questionou por que eles esperaram até o fim da eleição para abrir o processo.

“Não podemos e não aceitaremos a palavra do demandante – em uma eleição em que todos os votos são importantes, não privaremos os eleitores potencialmente elegíveis com base apenas nas alegações de uma fundação privada”, escreveu o juiz em uma decisão de 20 de outubro.

Até mesmo a própria administração de Trump rejeitou as alegações de fraude eleitoral generalizada e votação ilegal, embora não tenha mencionado que Trump foi quem fez as acusações.

A Cybersecurity and Infrastructure Security Agency, a agência federal que supervisiona a segurança eleitoral dos EUA, também observou que os escritórios eleitorais locais têm medidas de detecção que “tornam muito difícil cometer fraudes por meio de cédulas falsas”. Fonte: Associated Press.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *