‘Não tinha noção da complexidade’, diz motorista que atropelou ciclista em SP

José Maria da Costa Júnior, motorista que atropelou e matou a socióloga Marina Kohler Harkot na madrugada do dia 8, disse que “não tinha noção da complexidade” do que tinha ocorrido logo após o choque contra a jovem de 28 anos. “A gente não tinha essa noção da complexidade, de que alguém pudesse estar ali, que pudesse estar machucado”, disse ele à TV Globo em reportagem exibida neste domingo, 15.

Marina andava de bicicleta pela Avenida Paulo VI, em Pinheiros, zona oeste, quando foi atingida pelo veículo. Ela morreu no local. O motorista não parou para prestar socorro e apenas se apresentou à polícia na terça-feira, dia 10. Ele foi liberado após essa apresentação. A Polícia Civil investiga o caso.

Neste domingo, ao programa da Globo, ele disse que o atropelamento aconteceu após um carro buzinar atrás do veículo que dirigia. Outras duas pessoas o acompanhavam no veículo. “Cheguei numa saída assim de água, reduzi o carro para poder passar e o carro atrás buzinou e eu acelerei. Acabei ficando na dúvida se podia cruzar para o outro lado ou não e vi alguma coisa na minha frente”, explicou.

‘Via iluminada’

O socorro médico para Marina foi acionado por uma policial militar que passava pelo local. Ela disse ao programa que “era uma via super iluminada”. “Com certeza, ele viu a Marina. Não tinha como não ver a Marina”, disse a policial Mariana de Morais Braga sobre a circunstâncias do acidente.

Questionado sobre o porquê de não ter prestado socorro, o motorista disse que “como tinha mais gente lá, (achou) que tivesse mais condições de poder socorrer”. “Eu entreguei que essas pessoas pudessem socorrer essa pessoa”, disse o homem.

O Estadão mostrou que Marina foi vítima de um dos problemas que denunciava: a violência no trânsito. A jovem concluiu a graduação e o mestrado na Universidade de São Paulo (USP), instituição em que era pesquisadora colaboradora, pelo LabCidade, e cursava o doutorado, ambos na Faculdade de Arquitetura e Urbanismo (FAUUSP). Foi coordenadora do coletivo Ciclocidade, integrante do Conselho Municipal de Transporte e Trânsito de São Paulo, no segmento “bicicleta”, e consultora em planejamento urbano.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *