Intoxicação alimentar: casos aumentam no verão

O verão está próximo e como a estação mais quente do ano exige cuidados especiais com saúde. Este período exige uma dieta leve, que não ‘pese no estômago’, mas promova saciedade e bem-estar, bem diferente dos dias frios que são marcados pelo desejo de ingerir pratos mais calóricos. É nesta época do ano que ocorrerem mais registros de intoxicações alimentares, por isso, é preciso cuidar da alimentação.

“O excesso de peso é uma preocupação mais acentuado no verão, pois as pessoas tendem a usar roupas mais leves e que mostra mais se o corpo está em forma ou não”, declara a nutricionista, Ana Alegreti. “Mantar uma dieta saudável é o recomendado para o ano todo”.

A profissional explica que nas estações mais quentes ocorrem com mais frequência casos de doenças de origem alimentar, ou seja, infecciosa ou tóxica. Elas acontecem por conta do consumo de alimentos ou água contaminados e podem ocorrer sob a forma clínica de doença infeciosa ou as famosas intoxicações alimentares que podem ser ocasionadas por bactérias, química ou por contaminação através de toxinas que existem nos próprios alimentos.

ALIMENTOS CONTAMINADOS – “Com o calor, os alimentos tendem a sofrerem alterações com mais facilidade e isso intensifica o risco de intoxicação alimentar, que é causada, geralmente, por uma reação a um alimento ou líquido contaminados por uma bactéria”, explica ao citar que essas bactérias são difíceis de serem detectadas somente pela aparência, sabor ou cheiro dos alimentos.

Para evitar uma intoxicação alimentar é importante prestar atenção no ato da escolha dos alimentos e sua forma de armazenagem. “Uma dica é guardar os alimentos nas embalagens originais e, somente, depois de serem abertos podem ir para recipientes de vidro ou plásticos. Esses são cuidados simples que devem ser adotados com precisão, pois evitam o apodrecimento de alimentos dentro da geladeira”.

A validade dos produtos também deve ficar em evidência. Ao serem guardados aqueles com prazo menor deve ficar em um local de melhor visibilidade para que o seu consumo seja prioritário. “A geladeira também merece atenção especial, pois mesmo refrigerados, os alimentos podem estragar e algumas pessoas só notam depois de consumir, já que nem sempre apresentam odor e coloração diferenciada. Alerta sempre”, reforça.

Da Redação