Produção e exportação de suínos devem aumentar em 2021 no PR e região

O ano de 2020 encerrou com bons resultados tanto na produção como na exportação para quem pertence à atividade de suínos. No Paraná foram exportadas mais de 120 mil/ton, com um aumento de 20% se comparado com 2019. A projeção para 2021 é de aumentar ainda mais a produção e também a exportação. Em Toledo, a produção média de suínos é de uma milha e duzentas mil cabeças. Na região Oeste em média são dois milhões e oitocentos mil cabeças, conforme o último senso agropecuário (IBGE).

A presidente da Associação Regional de Suinocultores do Oeste (Assuinoeste) Geni Bamberg explica que o mercado consumidor continua aquecido e com a China liderando as compras. “O cenário deve permanecer dessa forma, porque o consumo mundial de carne suína continua em alta”.

De acordo com Geni, a pandemia não interferiu na produção de suínos, pois o agronegócio não parou. “Na agroindústria, em alguns momentos, reduziu o número da abate/dia devido o afastamento de funcionários por conta da Covid-19”.

CÂMBIO – Enquanto a pandemia não afetou de maneira direta a suinocultura, a alta do dólar influenciou no custo de produção em parte da agroindústria e em produtores independentes. A presidente da Associação menciona que no sistema de integração o aumento do insumo é absorvido pela indústria, porque o produtor entra com as instalações, os equipamentos e a mão de obra. Já, os animais e os insumos são fornecidos pela empresa.

Contudo, ela pondera que de alguma forma a alta do dólar influência no mercado consumidor interno elevando os custos dos cortes nos supermercados. “Neste momento o consumo está em elevação, por ser uma carne produzida nos melhores padrões de qualidade, saudável e saborosa, combinando com diversas culinárias. Por isso, é a mais consumida no mundo”.

Além disso, as exportações de carne suína continuam em alta, no entanto, o gargalo de toda a cadeia é o custo de produção que continua em alta. Exemplos: insumos para nutrição, produtos veterinários, equipamentos, transporte e mão de obra qualificada.

ESTRATÉGIAS – A pandemia, de maneira geral, causa adversidade e traz consigo incertezas em todos os setores da economia. Na suinocultura, não é diferente. Para enfrentar este cenário, estratégias devem ser adotadas na atividade. Conforme a presidente da Associação, as agroindústrias e os produtores independentes devem investir em genética para melhorar o desempenho dos animais.

Outra recomendação de Geni é investir em pesquisas na prevenção e no controle sanitário de doenças. “Novos estudos nestes temas devem colaborar com toda a cadeia, além de novos conhecimentos nas granjas quanto a biosseguridade total”.

Atualmente, segundo a presidente da entidade, a equipe da Assuinoeste trabalha no levantamento dos custos de produção do suíno. “Neste primeiro momento, trabalhamos na fase de terminação e, na sequência, nas demais fases de criações”.

Como em todo o setor econômico, existem os avanços e também os desafios para que o produtor possa se manter na atividade. Na atividade de suínos, Geni enfatiza que é necessário saber qual é o real custo até para que o produtor possa ser mais assertivo no momento de adotar uma decisão.

“Também entendemos que o produtor fazendo a sua parte no manejo da granja dos animais com responsabilidade e com uma boa gestão deve sim receber por animal, além dos custos de produção para que a atividade seja atrativa na compensação dos custos e sobrando algum valor para novos investimentos”, destaca a presidente da Assuinoeste.

REPRESENTAÇÃO – Outra estratégia a ser adotada pelo produtor e que pode colaborar é integrar a Associação Regional de Suinocultores do Oeste (Assuinoeste). “A entidade trabalha fortemente em melhorias para a atividade de suínos e auxilia os produtores nas diversas demandas”, revela Geni ao complementar que “com a classe unida e cada dia mais forte, teremos mais efetividade ao buscar políticas públicas ao setor”.

De maneira direta, a Associação também atende os produtores com planos de saúde, telefonia, uniformes, licenciamentos e projetos de investimento além de um produto natural para tratamento de dejetos. A presidente de Assuinoeste Geni afirma que todos com valores diferenciados se comparados com o mercado, entre várias parcerias com empresas do setor.

Da Redação

TOLEDO