Máscara facial: pele do rosto exige cuidados para evitar inflamações

A máscara facial tornou-se uma parte essencial do cotidiano por conta da pandemia da Covid-19. Proteger o nariz e a boca, assim como a higiene das mãos são medidas adotadas há um ano para evitar a contaminação pelo novo coronavírus. No entanto, há um alerta.

De tecido, descartáveis, caseiras ou profissionais, as máscaras têm provocado uma série de reações na pele do rosto. A longo prazo, o equipamento de proteção pode causar secura e inflamações na pele, assim como piora dos quadros de acne. Por isso, todo cuidado é necessário para manter a pele saudável e continuar se protegendo.

A médica dermatologista Simone Dall’ Oglio Furlan cita que tem observado várias reações de pele como processos inflamatórios e micoses pelo aquecimento e concentração de partículas de água na face entre o nariz, a boca e o queixo pelo uso das máscaras. Reações alérgicas de dermatite de contato também tem sido frequente por conta dos vários tecidos usados na confecção das máscaras.

Ela orienta que o adequado seriam as máscaras descartáveis e não reutilizáveis. “Deveríamos ter o cuidado de colocar a máscara pela manhã, após higiene facial e escovação dentária e utilizar outra a tarde após o almoço e realizar novamente a higiene facial e oral”, comenta.

Mesmo com uma infinidade de modelos de máscaras, artesanais e profissionais, as descartáveis ainda são as mais indicadas, de acordo com a médica dermatologista. No entanto, os modelos N95 e NF95, que cobrem melhor a face e protegem mais a respiração, são as melhores do mercado. “A película protetora “face Shield” deve ser usada sempre junto com as máscaras para uma proteção melhor da face e olhos também. E devemos sempre cuidar das mãos para não levar qualquer vírus ou bactérias para a face e corpo”, esclarece Simone Dall’ Oglio Furlan.

HIGIENE – Os cuidados com a higiene pessoal devem ser reforçados para ter uma pele limpa e saudável e longe de inflamações com o uso das máscaras. A médica orienta, pelo menos, dois banhos por dia – um pela manhã e outro no retorno do trabalho – com a higiene dos cabelos, rosto e corpo.

“O cuidado deverá ser com sabonetes para peles sensíveis ou sabonetes infantis, uso de hidratantes e filtros de proteção se necessários para o trabalho e higiene oral com escovação dentária e gargarejos”, complementa.

Durante o dia, mesmo com a correria das atividades profissionais e acadêmicas, o uso da mesma máscara não deve ultrapassar quatro a cinco horas. Em cada troca, é possível fazer uma higiene rápida para retirar o suor excessivo ou a oleosidade da pele.

“Deveremos ter os cuidados de usar lenços descartáveis para retirar o suor, lenços secos para retirar a gordura da pele com antissépticos e loções de limpeza adstringentes e álcool nas narinas em pequena concentração antes de recolocar as máscaras”, salienta Simone.

Para as mulheres que não abrem mão da maquiagem no dia a dia, a dermatologista cita que não há restrições. “Os cuidados com a dermatite e coceira estão relacionadas com as marcas de cada maquiagem e o hábito de usá-las”, conclui.

Ainda que possa causar alguns pequenos problemas de pele, de acordo com a Sociedade Brasileira de Dermatologia, o uso de máscara deve respeitar algumas normas básicas:

– Máscaras de tecidos como gaze e algodão podem ser utilizadas pelos cidadãos comuns, porém nunca por profissionais da área da saúde;

– A máscara deve ser colocada sobre a face com cuidado para que cubra, completamente, o nariz e a boca;

– A pessoa deve evitar tocar o rosto com as mãos ao longo do uso da máscara;

– A remoção deve ser feita com as mãos higienizadas, buscando evitar o contato do rosto com o lado de fora do tecido;

– Após a retirada da máscara, é preciso fazer o descarte ou higienização dela com água e sabão.

Da Redação

TOLEDO