Vereador de Maripá cria polêmica por discurso homofóbico durante sessão

Durante sessão ordinária na Câmara de Maripá esta semana, o vereador Donaldo Seling (Cidadania) fez um comentário homofóbico, citando como exemplo a notícia sobre a morte do ator Paulo Gustavo, homossexual assumido e casado com outro homem. “Estamos tendo um desentendimento, na minha opinião, essa coisa moderna não serve pra mim”, disse ele, acrescentando que não se pode pregar “esse tipo de coisa” e que é preciso saber “quem seria a mulher dos dois”.

O vereador criticou a divulgação de notícias como essa na tentativa, na opinião do vereador Donaldo, “de tentar mudar uma geração criada por Deus e assim é a mulher. Quem é a mãe das duas”, questionou. Donaldo Seling disse ainda ser preciso chamar de “pai e mãe (um casal) e não marido com marido ou marida com marida. Não sei como é que fala essa porcaria, de tanto que odeio” e frisou ser do tempo “que homem é homem e mulher é mulher.

Na sequência o presidente do Legislativo de Maripá, vereador Edio Sartori (Cidadania), embora em tom mais brando, também defendeu a necessidade de “homem é homem e mulher é mulher”

 

PROCESSO – Em nota oficial o deputado federal Rubens Bueno, presidente Estadual do Cidadania23, afirmou que “diante das declarações realizadas pelo vereador Donaldo Seling, durante sessão plenária na Câmara Municipal de Maripá, o diretório estadual do Cidadania informa que o Conselho de Ética do partido já instaurou processo disciplinar e está notificando o filiado”.

Traz ainda a nota que “o Cidadania do Paraná afirma que as palavras do mandatário não refletem em nenhum aspecto a posição do partido e que não aprova atos homofóbicos ou qualquer outro tipo de preconceito. Destacamos também que a diversidade e a igualdade são a alma deste partido e lamenta as declarações do vereador”.

Por fim, Bueno manifesta “nossa solidariedade e apoio a família, amigos e admiradores do ator e diretor Paulo Gustavo neste momento tão difícil”.